Filipe Araujo/AE
Filipe Araujo/AE

Ex-beatle pedala no Parque do Povo

''Estado'' flagra Paul McCartney andando de bicicleta com a namorada e seguranças; à noite, músico fez passagem de som no Morumbi

Patrícia Campos Mello e João Paulo Carvalho, O Estado de S.Paulo

21 de novembro de 2010 | 00h00

Logo após desembarcar em São Paulo, na manhã de ontem, Paul McCartney foi passear de bicicleta com a namorada e seguranças no Parque do Povo, na Vila Olímpia, zona sul da capital. Escapou de fãs e fotógrafos, mas foi flagrado pelo "Estado" andando incógnito pelo local que ontem na internet já começou a ser chamado de "Parque do Paulvo".

Sem saber, Sir Paul escapou do que poderia ter sido um acidente bizarro. Com sua bicicleta, o ex-beatle passou bem no meio do gramado onde se realizava a final do Circuito Nacional de Bumerangue. Jovens e senhores de terceira idade praticavam o esporte, sem imaginar que poderiam atingir um dos músicos mais conhecidos do mundo.        

Às 19h55, quando cerca de cem fãs se aglomeravam em frente ao Grand Hyatt Hotel, na zona sul, onde Paul está hospedado, seis carros, acompanhados de batedores da PM, deixaram o local. Na saída, o músico abaixou o vidro do veículo em que estava e acenou para fãs. Depois, seguiu para o Estádio do Morumbi, onde chegou às 20h30.

 

 

 

 

Veja também:

link'O dia em que encontrei Paul McCartney'

linkAinda dá para comprar ingressos para os shows 

 

 

Lá, passou o som por uma hora. Tocou nove músicas: Get back, The Fool on the Hill, Jet, Follow Me, Here Today, And I Love Her, I Just Seen Her Face, Bluebird e I''m Looking Throught You.

Do lado de fora, cerca de 30 fãs que estavam no portão 13 do estádio começaram a gritar o nome do músico e a aplaudi-lo. O beatle agradeceu: "Thank you!". Na saída do Morumbi, apareceu novamente, desta vez no teto solar do carro em que estava, e acenou para o público. E fez o mesmo ao voltar ao hotel, desta vez de dentro do veículo.

Mais cedo. Horas antes, a chegada de Paul a São Paulo foi cercada de segredos. Aos jornalistas e fãs que esperavam na porta no Grand Hyatt, assessores não confirmavam nem negavam a presença do ídolo. Mesmo assim, muita gente em frente ao hotel tinha esperança de ver Paul.

"Ele tem de estar aqui, eu sinto isso. Nunca estive tão próxima de um ex-beatle", afirmava a estudante Paula Vidal, de 18 anos, com os LPs Paul in Live e Good Evening, New York City para serem autografados. Ela já havia passado pelo Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, Grande São Paulo, onde também não encontrara vestígios do ídolo.

A gaúcha Rafaela Elly, de 20, veio de longe para conseguir autógrafo. "Fiquei 27 horas na frente do hotel do Paul em Porto Alegre, mas não consegui. Aqui pode ser a última chance disso acontecer", afirmou.

Mesmo que não ia ao show se empenhou para ver o beatle. A professora Kelly Cristina, de 34, não conseguiu comprar um ingresso, mas ontem saiu cedo de casa, na zona norte: "Vou esperar ele chegar, já que não tive como comprar. Acredito que hoje será mais fácil encontrá-lo."

No Morumbi, também havia movimento: na manhã de ontem, cerca de 50 pessoas esperavam o tempo passar cantando e jogando cartas. Muitas delas acampadas desde anteontem. / COLABORARAM CAROLINA MARCELINO E BRUNO PAES MANSO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.