Ex-assessor de Haddad deve cuidar da Educação

O professor da USP Luís Fernando Massonetto é o mais cotado para assumir a pasta

Diego Zanchetta, de O Estado de S. Paulo,

06 de novembro de 2012 | 02h04

SÃO PAULO - Dois professores da Universidade de São Paulo (USP) e um ex-secretário da gestão Marta Suplicy (PT) vão coordenar as negociações e definição do secretariado do governo do prefeito eleito Fernando Haddad (PT). O "trio de ferro" da transição também já tem vaga assegurada em postos-chave da Prefeitura a partir de 2013. Antonio Donato será secretário de Governo, Ursula Dias Peres ficará com a pasta de Finanças e Luís Fernando Massonetto deverá comandar a Educação.

Os três fizeram nesta segunda-feira, 5, a primeira reunião com a equipe de transição montada pelo prefeito Gilberto Kassab (PSD). O vereador Donato, coordenador das Subprefeituras entre 2001 e 2004, tem a missão de "blindar" as três pastas consideradas inegociáveis pelo PT, que somam quase a metade das verbas reservadas no orçamento de 2013. Educação (R$ 10,1 bilhões), Saúde (R$ 7,1 bilhões) e Transportes (R$ 1,5 bilhão) vão ser ocupadas por "quadros petistas", segundo definiu a equipe de transição em conjunto com o novo prefeito.

Paulistano do Campo Limpo, na zona sul, e militante estudantil da USP nos anos 1980, Donato também vai costurar alianças para tentar formar uma maioria governista na Câmara Municipal. A análise dos contratos atuais será tarefa de Ursula, professora de Finanças Públicas na USP Leste e auxiliar de Haddad na Secretaria Municipal de Finanças na gestão da ex-prefeita Marta.

Braço direito. Do "trio de ferro", o mais próximo do prefeito é Massonetto, de 35 anos, professor do Departamento de Direito Econômico, Financeiro e Tributário da Faculdade de Direito da USP. Ele era o único assessor que dividia com Haddad a sala no diretório do PT reservada ao candidato na campanha. Também foi seu braço direito no Ministério da Educação (MEC) - como secretário executivo, Massonetto fechou 96 cursos de graduação de má qualidade.

Assim como Haddad, seu assessor no MEC foi presidente do diretório acadêmico da Faculdade de Direito da USP. Em sua tese de mestrado sobre como o Estado organiza os gastos, teve como orientador o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Eros Grau.

Massonetto não é filiado ao PT, mas está ligado ao partido desde o início da carreira como advogado da bancada do PT na Câmara, em 1998. Por indicação de Ursula, entrou na gestão Marta em 2001, na pasta de Finanças, onde conheceu Haddad.

Mais conteúdo sobre:
haddadprefeituratransição

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.