Evolução do mercado de moda é visível de ponta a ponta

A São Paulo Fashion Week começou ontem no fim da tarde apresentando apenas quatro desfiles, um deles com a presença de Paris Hilton. A organização comemora 15 anos do evento e produz documentários sobre a data para a próxima temporada. A memória dos fashionistas está sendo colocada à prova. Perguntam qual o momento mais marcante, o desfile, a modelo e por aí vai... Haja concentração no meio do burburinho da Bienal. Mas é assim que vamos criando e fazendo história.

LILLIAN PACCE, contato@lilianpacce.com.br, O Estado de S.Paulo

29 Janeiro 2011 | 00h00

Quinze anos é muito pouco pra moda de um país, mas a evolução do mercado é visível de ponta a ponta. Avançamos muito, embora haja muito a avançar. Quando começou como Morumbi Fashion, em julho de 1996, eram 31 participantes. Havia um desejo de chegar a 60 marcas no line-up. Hoje temos 32 nesta edição outono-inverno 2011. Isso é muito ou pouco? Na verdade, se qualidade é o que importa, melhor pensar nesses termos e não em quantidade. O fato é que esta é uma temporada mais enxuta de desfiles e mais inflada de celebridades, especialmente graças ao casal Ashton Kutcher e Demi Moore que estarão amanhã por aqui.

Ao longo desses 15 anos muitas marcas pararam no meio do caminho e muitas entraram. As que ficaram tiveram que amadurecer e enfrentar crises econômicas internas e globais. O evento capitalizou bem sua imagem e criou um branding forte em torno de si. Atraiu patrocinadores e um público enorme, digno de grandes feiras.

E o que significa crescer nos próximos 15 anos? Ter mais patrocinadores, mais público? Neste quesito parece que chegamos ao limite. Em compensação temos muito a crescer em termos de moda em si. Temos que crescer na passarela, lembrando sempre que é ali que nosso foco deve estar. A moda é guerreira e o Brasil tem tudo pra evoluir mais. Vamos cuidar com carinho do nosso patrimônio! Parabéns às marcas e estilistas que tornaram possível um evento como a SPFW!

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.