Amanda Perobelli/Estadão
Amanda Perobelli/Estadão

Evangélica e fã de carnaval, vereadora se prepara para desfile

Adriana Ramalho (PSDB) está aprendendo a sambar para atravessar sambódromo do Anhembi como madrinha da Nenê

Paula Felix, O Estado de S.Paulo

02 Fevereiro 2018 | 06h00

SÃO PAULO - A vereadora Adriana Ramalho (PSDB), de 37 anos, está aprendendo a sambar. As aulas são para atravessar o sambódromo do Anhembi como madrinha de bateria da Nenê de Vila Matilde, tradicional escola de samba da zona leste que luta para voltar ao Grupo Especial do carnaval paulistano.

+++ Novo rosto e mesmo sobrenome na Câmara de São Paulo

Líder do PSDB na Câmara Municipal - partido do qual faz parte o prefeito João Doria -, Adriana vai desfilar à frente dos ritmistas da escola e ao lado da rainha Ariellen Domiciano, mas já deixa claro que não vai mostrar o corpo na avenida.

+++ Vereadores se comprometem a equilibrar homenagens a homens e mulheres

"A primeira coisa que conversei foi que não me sinto bem expondo o corpo. Não quero usar duas peças. Vou desfilar com um vestido. Só não sei se vai ser no joelho ou longo."

+++ Gestão Doria intensificará fiscalização da 'lei do xixi' no carnaval

Evangélica e fã do carnaval, ela conta que o convite surgiu no segundo semestre do ano passado quando visitava bairros das zonas norte e leste da capital. "Faço questão de circular pelos bairros. Sabendo da minha história na dança (ela é formada em balé clássico e já deu aulas), eles me convidaram. Meu sonho era ser bailarina clássica, mas cresci vendo os desfiles. Desde a adolescência que vou ao Anhembi. Vai ser a primeira vez que vou participar de um desfile como destaque, porque já fui duas vezes em ala na Vai-Vai."

Também será a primeira vez que a Nenê de Vila Matilde terá uma madrinha, segundo o presidente da agremiação, Rinaldo José Andrade, o Mantega. "A gente achou justo fazer essa homenagem por ela ser uma militante da cultura. Ela é uma pessoa flexível que entende a festa popular como cultura. É a primeira madrinha da Nenê."

Ele diz que, para a agremiação, o cargo exercido pelos integrantes fora da avenida é deixado de lado na hora do desfile e que todos são tratados da mesma forma. "O carnaval é fantástico, místico e maravilhoso. É a praia do paulistano e a praia nivela as pessoas. Não tem quem é quem, o que faz, poder aquisitivo. O carnaval tem esse dom de deixar todo mundo em pé de igualdade. O samba tem regra, mas não tem restrição."

Neste ano, a agremiação vai apresentar um enredo que homenageia Iemanjá, um dos orixás mais conhecidos do Candomblé. A escola vai apresentar o enredo com 2.500 integrantes e 20 alas.

Para Maria Aparecida Urbano, pesquisadora e historiadora do carnaval de São Paulo, a nomeação é uma novidade. "Geralmente, as escolas convidam artistas. Alguém da política, acho que é a primeira vez, já houve pessoas da alta sociedade desfilando nas escolas, mas vinham com fantasias que ninguém percebia que eram elas."

Adriana afirma que aceitou o convite por valorizar a manifestação cultural. "Vejo a importância do carnaval para dar oportunidade para que as pessoas tenham interação, saiam da criminalidade, tenham vida, cultura e uma referência. A escola de samba agrega e temos de valorizar isso. O segundo maior motivo para eu ter aceitado é para quebrar paradigmas e mostrar que a radicalização não leva a nada. Sou evangélica e vou desfilar, só que com alguns critérios."

Ela diz que sua participação no desfile não é um segredo para os outros 54 vereadores que atuam na Câmara. "Fiz questão de explicar para todos os meus pares, dentro da Casa, dentro do partido. Precisei explicar para algumas pessoas o que eram a rainha e madrinha. Recebi muito apoio e feedback positivo."

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Fiz questão de explicar para todos os meus pares dentro da Câmara Municipal, dentro do partido também. Precisei explicar para algumas pessoas o que eram a rainha e madrinha. Recebi muito apoio e feedback positivo.
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Adriana Ramalho, vereadora e madrinha da Nenê

Embora a nomeação como madrinha tenha sido em novembro do ano passado, apenas neste mês ela conseguiu começar a se dedicar ao novo cargo. Até o final do ano passado, ela estava focada nas votações na Câmara e no trabalho nas várias comissões que integrou ao longo de 2017, seu primeiro ano de mandato - ela foi eleita em 2016 com 29.756 votos.

Vice-presidente do PSDB municipal, integrante da Comissão de Saúde, vice-presidente da Comissão da Criança e do Adolescente, presidente da Comissão de Segurança Pública e Urbana e membro da CPI da Vulnerabilidade da Mulher estão entre as funções que desempenhou.

Adriana diz que, mesmo com o tempo curto, está empenhada em fazer um bom papel na avenida. "É uma escola tradicional, com uma história bonita. Estou feliz, surpresa e com um sentimento de responsabilidade. As pessoas se preparam por um ano e eu tenho de me preparar com tão pouco tempo. Estou com reeducação alimentar, personal. Preciso aprender a sambar e ter condicionamento físico."

Política

Ao falar dos desafios que aceita, na Câmara, na avenida e na vida, usa o que parece ser um bordão. "Sou Adriana Ramalho, sou 'parabaiana'", referindo-se ao pai paraibano e à mãe baiana.

Ela conta que uma de suas maiores inspirações é o pai, o deputado estadual Antonio de Sousa Ramalho, o Ramalho da Construção (PSDB).

"Nasci em uma família de trabalhadores. Meu pai dorme três, quatro horas por noite. No universo da vida pública, para se dedicar, não se escolhe. Acorda cedo e dorme tarde. Estamos aqui para contribuir para que a sociedade seja desenvolvida."

Para isso, segue uma agenda corrida, acordando às 6 horas e chegando em casa sempre entre 23h30 e 1 hora. "Acordo, faço academia, tomo banho e já vou para o mundo. Gostaria de estar mais com a minha mãe, minhas irmãs, meu namorado. Minha mãe já foi em agenda comigo, meu namorado me acompanha em trabalhos nos fins de semana."

Embora tenha acompanhado a trajetória do pai, Adriana afirma que a vivência na Câmara foi um grande desafio e ela contou com apoio de aliados e de vereadores de outros partidos.

"Busquei dar o meu melhor diariamente, ajudando os colegas, contribuindo nos bons projetos para ajudar quem aqui mora. Tenho uma ótima relação com os vereadores. Um convívio saudável e harmonioso."

Do seu partido, destaca o apoio de Eduardo Tuma. "Fora da bancada, tem o Claudio Fonseca (PPS) que foi o meu professor. Eu me dou bem com a Sâmia Bomfim (PSOL). Também tem o vereador Reis, que é do PT. Tem de acabar essa briga partidária. Estamos aqui para ajudar o povo."

A vereadora diz que a defesa dos direitos das mulheres está entre suas bandeiras - um de seus projetos de lei sancionados pelo prefeito é o Tempo de Despertar, um programa de conscientização de autores de violência doméstica por meio de grupos de reflexão.

"É um trabalho que defende a mulher com foco no agressor, porque combate a violência e a reincidência. Para que, se ele adquirir uma nova família, não repita o crime. É um projeto que está dando certo em Taboão da Serra e a nossa cidade é uma referência, tem de ter um projeto como esse."

A vereadora diz que, neste ano, pretende se dedicar menos a comissões para poder ter mais contato com a população e não faz planos sua carreira política. "O futuro a Deus pertence. Foi a minha primeira eleição e pessoas falaram que eu não ia ganhar. Prefiro não fazer a minha vontade, mas a de Deus. Se Deus quiser que eu alcance outros voos, vou me dedicar para que seja feito com responsabilidade."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.