Europa busca saídas contra o crack

Londres, Amsterdã, Zurique e Madri estão entre as cidades mais afetadas pelo consumo da droga, que avança em subúrbios e guetos

JAMIL CHADE, CORRESPONDENTE / GENEBRA, O Estado de S.Paulo

29 de janeiro de 2012 | 03h04

Salas para relaxar, equipamento esterilizados de inalação de drogas e até a distribuição de um "kit crack". Essa é a abordagem que autoridades passaram a ter com dependentes do subproduto da cocaína na Europa, que, nos últimos anos, avançou de forma inquietante nos subúrbios e guetos mais marginalizados das grandes metrópoles.

Londres, Amsterdã, Zurique e Madri estão entre as cidades mais afetadas pelo fenômeno, que, segundo os especialistas, é recente na Europa e vem ganhando dimensões preocupantes diante da crise que não cede.

Por anos, a questão era considerada um problema que se limitava aos Estados Unidos e a países latino-americanos. Ainda hoje, a União Europeia (UE) estima que o crack é "muito raro entre os usuários de cocaína socialmente integrados".

O problema é que, com o reconhecimento da existência da pobreza nas periferias das grandes cidades europeias e da taxa recorde de desemprego, revelou-se também a existência do crack, penetrando de forma importante entre a parcela da população mais pobre e entre desempregados, sem-teto e grupos étnicos minoritários. Nesses guetos, muitas vezes a poucos quilômetros de centros sofisticados das finanças internacionais, o crack é uma realidade europeia.

Bruxelas admite ainda ter poucos dados sobre quantos são os usuários. Mas já chama a atenção para bolsões onde a incidência é alta.

Em seu mais recente relatório sobre a situação das drogas na Europa, publicado em novembro, a UE alerta que, em Londres, "o uso do crack é considerado como um componente maior do problema das drogas nas cidades".

A estimativa de 2010 era de que a Inglaterra contava com 189 mil usuários de crack - quase 6 casos a cada mil habitantes. Para as autoridades, esses números levaram vários governos a estabelecer programas para tratar esses dependentes.

Em praticamente todos eles, a estratégia em relação aos consumidores não é a intervenção policial, mas a oferta de tratamentos de saúde.

Iscas. Na Alemanha, cidades como Hamburgo e Frankfurt criaram "salas de inalação" para os consumidores, na esperança de reduzir os riscos associados ao vício e, pouco a pouco, substituir a droga. Inaladores desinfetados passaram a ser oferecidos pelas autoridades, enquanto o viciado se compromete a passar por um tratamento de saúde oferecido pelas prefeituras.

Segundo um funcionário de uma dessas salas em Frankfurt, esses locais foram criados como uma espécie de "isca" para que as autoridades possam atrair os viciados e, a partir do contato e da confiança, estabelecer programas para desintoxicação.

"A orientação é a de nunca chegar e exigir que o viciado passe por um tratamento. Isso raramente funciona", conta o funcionário, que pediu para manter o anonimato.

Desafio. A União Europeia, em seu relatório de novembro, não esconde que o usuário de crack representa um "desafio" para os serviços de saúde. Esses viciados são os mais marginalizados na sociedade e com história com drogas de maior duração.

"Aos que chegam ao local, damos conselhos médicos e assistência psicológica. Para alguns que não têm onde dormir, oferecemos ainda camas para passar a noite", explica. "Quando esse viciado entende que há uma chance de ele melhorar, nosso trabalho de tratamento é imensamente facilitado", diz. Questionado se o local era visitado pela polícia, o especialista perguntou: "Para que a polícia viria?"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.