EUA: brasileiro preso há 2 anos sem julgamento

Ele nega acusação de molestar os filhos e só pode ser processado em liberdade se pagar fiança de US$ 75 milhões

Gustavo Chacra, O Estado de S.Paulo

13 de abril de 2011 | 00h00

CORRESPONDENTE / NOVA YORK

Um brasileiro de 39 anos está preso preventivamente no Estado americano do Arizona há mais de dois anos, sem previsão para ser julgado. Ele nega a acusação de ter molestado os filhos. Para responder ao processo em liberdade, Ricardo Azevedo Souza Costa teria de pagar US$ 75 milhões de fiança. Parentes mantinham sigilo sobre o caso, apesar de recorrer à ajuda de autoridades consulares brasileiras. Agora, decidiram contar a versão deles da história. A Justiça do Arizona e a ex-mulher de Costa não responderam aos pedidos de entrevista.

O brasileiro era um jovem de classe média de São Paulo que decidiu seguir a carreira de modelo e foi ao Japão, onde conheceu a americana Angela Denise Martin. Os dois se casaram em 1993 e se estabeleceram no Arizona, onde Costa abriu uma pequena empreiteira.

Tiveram dois filhos e uma filha, que têm 15, 12 e 8 anos. Em 2007 começou processo de divórcio litigioso. Os meninos passaram a frequentar uma psicóloga, a quem teriam dito que o pai os molestava.

No fim de 2008, Costa foi preso. A Justiça, de acordo com a defesa, deveria tê-lo julgado em 150 dias. Para responder em liberdade, além de pagar US$ 75 milhões de fiança, em dinheiro, ele poderia assinar um termo de confissão. Costa se recusa porque nega ter molestado os filhos. A fiança, uma das mais elevadas da história americana, também é inviável. Enquanto isso, ele não pode ver as crianças.

Quem mantém contato com ele quase diariamente é o irmão, Rafael Azevedo Souza Costa, que vive nos EUA. Para a família, a acusação dos meninos contra o pai é má influência da psicóloga.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.