'Eu perguntaria se o ministro cumpriria a decisão' no Pinheirinho, diz tucano

Líder do governo na Assembleia rebateu ministro, que criticou ação da polícia após secretário ser baleado

Jair Stangler, estadão.com.br

23 de janeiro de 2012 | 21h19

SÃO PAULO - O líder do governo na Assembleia Legislativa de São Paulo, deputado Samuel Moreira (PSDB) rebateu nesta segunda-feira, 23, a declaração feita pelo ministro Gilberto Carvalho de que "é muito grave" o fato do secretário nacional de Articulação Social, Paulo Maldos, tenha sido atingido por uma bala de borracha durante operação no Pinheirinhos.

Apesar de afirmar que o fato precisa ser apurado e de dizer que não quer partidarizar o episódio, Moreira provocou o ministro. "O cerne é se eles cumpririam a ordem judicial, tem de perguntar isso ao ministro", afirmou. Ele também diz que os petistas que denunciam a operação estão sendo oportunistas. "Cabe à prefeitura, ao governo estadual e ao governo federal, esse sim não fez nada até agora, ajudar ás família", afirmou.

Ele destaca ainda que a presença da Polícia Militar foi ordenada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo. Segundo ele, o prefeito de São José dos Campos, Eduardo Cury, está seguro de sua ação e a prefeitura tem prestado toda a assistência necessária ás famílias que estão sendo realocadas.

Ele também defendeu a Polícia Militar, que não só na ação em Pinheirinhos, como também na USP e na cracolândia, tem sido acusada de agir com truculência. "Às vezes as pessoas confundem presença com brutalidade", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.