'Eu perdôo Lindemberg', diz mãe de Eloá

Ana Cristina Pimentel disse que espera que a justiça seja feita; velório atraiu uma multidão

Fabio Mazzitelli, do Jornal da Tarde,

21 de outubro de 2008 | 00h46

Ana Cristina Pimentel, mãe de Eloá Cristina, de 15 anos, disse que perdoa o assassino da filha, baleada na cabeça na sexta-feira, após ser mantida refém por 100 horas pelo ex-namorado, Lindemberg Alves, 22 anos. "Mas que a justiça seja feita", afirmou emocionada no final da noite desta segunda-feira, 20, na primeira vez que falou com a imprensa desde o início do seqüestro de sua filha. Até as 22h30 de segunda-feira, segundo a PM, mais de 14 mil pessoas - 40 por minuto - haviam passado pelo Cemitério Santo André, no ABC. A constatação da morte cerebral ocorreu no sábado.   Veja também: Corpo de Eloá é enterrado e 12 mil acompanham a cerimônia 'Eu sabia', diz Nayara sobre morte de Eloá Leia o depoimento de Nayara após ser libertada por Lindemberg 'Eu perdôo Lindemberg', diz mãe de Eloá Ouça a mãe de Eloá dizendo que perdoa Lindemberg  'Eu lembro que eu dei um na Eloá', diz Lindemberg Lindemberg é transferido para Tremembé Polícia de Alagoas investiga se pai de Eloá é foragido da Justiça Polícia Civil investigará ação do Gate  100 horas da tragédia no ABC  Saiba como foi o fim do seqüestro Confira cronologia do seqüestro Galeria com imagens do seqüestro Todas as notícias sobre o caso Imagens da negociação com Lindemberg Alves I  Imagens da negociação com Lindemberg Alves II  Especialistas falam sobre o seqüestro no ABC Eloá, 'uma menina falante'; Lindemberg, 'um trabalhador' Seqüestro em Santo André é o mais longo registrado em SP      Ana Cristina agradeceu a todos que acompanharam o drama de sua filha. "Obrigado a todos aqueles que passaram comigo, que ficaram na chuva, no sol quente, lutando comigo", disse. Ela disse ainda que a "polícia não teve culpa de nada" e agradeceu o tenente que ficou ao seu lado durante todo o drama.   A mãe da jovem Eloá falou também que a filha "deu a vida para sete pessoas" e afirmou que a jovem "está muito feliz" por isso. Além disso, afirmou que está disposta a conhecer as pessoas que receberam os órgãos da filha. "Quero que ela (a pessoa que recebeu o coração) seja muito feliz e que se quiser me conhecer, estou aqui de braços abertos. Tanto ela quanto os outros que receberam (os órgãos)", afirmou Ana Cristina.   Ana Cristina deu as declarações para a imprensa rodeada de seus dois filhos Ronikson, 19 anos, e Douglas, 14, e por cerca de 30 amigos de Eloá, todos colegas de escola da jovem, perante o caixão da filha. O grupo vestia uma camiseta com a foto de Eloá estampada na frente e nas costas a música "1 minuto", do The Black. A fala da mãe emocionou os presentes. Um jovem chegou a passar mal e precisou ser atendido. No final, todos cantaram um trecho da música e aplaudiram.   Leia trechos da fala da mãe de Eloá   Agradecimento "Quero agradecer a Deus. Obrigado a todos. Não tenho como agradecer. Obrigado a todos, todos. Aqueles que passaram comigo, ficaram na chuva, no sol quente, com fome, com tudo, lutando. Queria agradecer também o tenente que ficou do meu lado o tempo inteiro, que ficou o tempo inteiro do meu lado, a paz dele. Foi uma luta muito grande, mas Deus quis levar minha filha. Minha filha está feliz, cumpriu a missão dela e ela deu a vida a sete pessoas. Sei que ela vai estar muito feliz".   Polícia "Queria agradecer a todos os policiais, todos. Não sei chamar assim o Gate, essas coisas, mas quero agradecer a todos de todo o meu coração. Quero agradecer a todos. A polícia não teve culpa de nada, nada, nada. Porque eles lutaram como eu lutei, choraram comigo como eu chorei. Quero agradecer a todos do mundo. De todos os cantos que sofreram comigo".   Doação de órgãos "Quero que ela (a menina que recebeu o coração) seja muito feliz. Se ela quiser me conhecer, estou aqui de braços abertos. Tanto ela quanto os outros que receberam (os órgãos). Não sei se pode, se ela algum dia vai querer me conhecer, mas estou feliz e minha filha está muito feliz em dar sete vidas".   O silêncio "Não dei entrevista antes porque foi muito difícil. Queria que tudo terminasse bem, mas já que terminou desta maneira, queria agradecer a todos. Quero agradecer a vocês (jornalistas) também que deram a notícia para o mundo inteiro. Se não fosse assim, ninguém ficaria sabendo. Se esqueci de alguém, me desculpe, meu agradecimento é para todo mundo".   Lindemberg "É uma pessoa que acho que está um pouco desequilibrada, que ainda não achou Deus, que creio que vai ter a justiça do senhor. Que seja feita a justiça. Eu consigo perdoar o Lindemberg com todo o meu coração, mas que a justiça seja feita. Nunca pensei que ele fosse capaz disso, ele era sim agressivo, possessivo, mas não pensei que chegaria a este ponto"   As últimas palavras com a filha "Quando a vi na janela (do apartamento) pensei que ela quisesse descer e falei: 'Vem filha, vem. A mãe está te esperando'. Ela falava assim: 'calma, mãe, calma, mãe'. Sei que ela está com Deus e estou feliz. O que esta aqui (mostra o caixão) é uma carne, uma carne que vai padecer. Mas que o espírito da minha filha está com Deus. Talvez Deus tenha feito isso para dar vida a sete pessoas. Sei que ela está com o Senhor".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.