'Eu fui bem, estava intocável'

Demonstrando simpatia e até fazendo brincadeiras, a advogada Carla Cepollina deixou calmamente o Fórum da Barra Funda, na zona oeste da capital, após o primeiro dia de julgamento - e falou com exclusividade ao Estado.

Entrevista com

O Estado de S.Paulo

06 de novembro de 2012 | 02h03

O que achou deste primeiro dia de júri?

Eu fui bem, você não achou?

Você parecia segura, intocável.

É, eu estava intocável (risos).

O que achou da conduta da sua mãe na defesa?

Ela estava bem, estamos bem (referindo-se ao fato de Liliana Prinzivalli ter sido repreendida pelo juiz e mesmo proibida de se manifestar).

Qual a sua expectativa?

Não vou dizer que estou tranquila, mas acredito na Justiça. Os jurados puderam conferir hoje (ontem) que não há nenhuma prova contra mim... e não se condena sem prova.

O que achou do testemunho do delegado do caso à época?

Entrou em contradição e não conseguiu provar nada. Nunca quis outra investigação. /A.F.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.