Estúdio revela talentos da periferia

Jovens de Cidade Tiradentes aproveitam sala especial na Estação Juventude para cantar suas interpretações de músicas consagradas. Até agora, 500 pessoas já gravaram CD e a fila só aumenta

Paulo Sampaio, O Estado de S.Paulo

04 de outubro de 2010 | 00h00

Apesar de potente, a voz da cantora Juliana Faria, de 14 anos, ainda não alcançou os ouvidos do público dos Jardins, Moema ou Tatuapé. Por enquanto, ela é famosa a 35 km do marco zero, lá onde São Paulo parece muito distante de São Paulo. "As meninas me param na rua e pedem para tirar fotos", conta ela, na Estação Juventude de Cidade Tiradentes (extremo da zona leste), onde está instalado o primeiro estúdio público de gravação de CDs.

Na frente do microfone, os braços levantados, as cordas vocais bombando, Juliana grava uma versão em português para a música The Greatest Love of All, sucesso na voz de George Benson e, mais recentemente, na de Whitney Houston. No lugar dos versos "I believe the children are our, are future/Teach them well and let them lead the way" ("Eu acredito que as crianças são nossas, são o futuro/Ensine-as bem e as deixe liderar o caminho"), Juliana canta: "Toda vez que eu penso em você, eu sinto um vazio no peito."

"Sabe quem escreveu essa música? Minha mãe. Disse que tirou da própria história dela", afirma a cantora, que tem cinco irmãos.

Inaugurado há um ano, o estúdio despertou talentos em uma região culturalmente árida. Quinhentas pessoas já gravaram CD. "A fila está crescendo", diz Aline Cancini, de 24 anos, coordenadora do projeto. "Tivemos de aumentar em 40% o serviço e abrir aos sábados e domingos para atender à demanda de quem trabalha durante a semana."

Os melhores. Como uma professora orgulhosa de sua turma, Aline arregimenta os melhores alunos para cantar durante a visita da reportagem. Logo vão chegando ao estúdio artistas emergentes de várias idades. Giselle Vergna, de 31 anos, é vocalista de uma banda. "O estúdio melhorou muito as coisas para a gente. Agora todo mundo quer cantar", diz ela. Recentemente, em um evento chamado Cidade Tiradentes canta Elas por Elas, em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, Giselle cantou É Cor de Rosa Choque, de Rita Lee.

João Carlos dos Santos, de 35 anos, técnico de som que comanda as sessões de gravação de CD no estúdio, está empolgado. "Moro em Cidade Tiradentes há 20 anos, você não sabe como isso aqui melhorou nos últimos tempos", conta.

Atrás do vidro que isola as duas salas do estúdio, de 25m2, Santos conta que não só administra os graves e agudos na aparelhagem de som como orienta carreiras. "Volta e meia chega garoto aqui querendo fazer funk de apologia à droga, à violência ou ao sexo promíscuo, sem nem saber o que está dizendo, eu converso, dou uma situada neles."

O tempo de gravação do CD depende do preparo do candidato e de quantas músicas ele quer colocar no disco. "Se são cinco, demora uma tarde", explica o técnico, que evita usar o afinador digital (espécie de Photoshop de voz).

As descobertas artísticas não param de chegar ao estúdio. Lucas Ariel, de 11 anos, cabelo à moicano com luzes, canta We are The World com um "inglês" próprio. A mãe, Maria Auxiliadora Andrade, de 49 anos, conta que a estreia do filho foi aos 4. "Estávamos em uma quermesse e esse menino não parou de chorar enquanto não subiu no palco."

Ao lado dela está Alexandre Oliveira, de 30 anos, cuja especialidade é gospel. "Sempre cantei na igreja, mas agora me apresento em eventos maiores também", diz.

Alguém avisa que MC Dedê chegou. Ganhador de um festival de funk promovido pela Subprefeitura de Cidade Tiradentes, Dedê tem status de celebridade na região. Diz que trabalha com um DJ e um empresário mas, apesar disso, fecha um show por telefone. "É R$ 1.200, meu brother", diz, simulando um gesto de impaciência. "Tá bom, eu faço por dez pernas. Isso, R$ 1 mil. Ok? Tá bom, então, irmão, fica com Deus."

Pelo que diz o técnico Santos, por enquanto não há estrelismos em Cidade Tiradentes. Resta saber se vai continuar assim depois que ele colocar uma ideia em prática: fazer um CD só com as 20 melhores gravações do estúdio.

Serviço

ESTAÇÃO JUVENTUDE E ESTÚDIO.

RUA PEDRO IOVINE, CIDADE TIRADENTES. TEL.: (11) 2285-7739. FHORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DA ESTAÇÃO E DO ESTÚDIO: DAS 8H30 ÀS 12H E DAS 13H30 ÀS 17H. DE DOMINGO A DOMINGO. GRÁTIS.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.