Estudantes trocam dicas nas redes sociais

No lugar de debates sobre um tema que causa dúvidas, muitos comentários na internet. Em vez dos encontros semanais, a possibilidade de pedir e dar ajuda o tempo todo. A casa dos amigos é trocada pelas redes sociais e os colegas, por desconhecidos. Em 2013, o grupo de estudos é virtual e está no Facebook. A menos de uma semana do Enem, muitos estudantes se reúnem em grupos da rede social com milhares de membros para trocar dicas, como no Redação no Enem, no Redação Nota 1000-Rumo à Aprovação e no Correção de Redações para o Vestibular.

Marina Azaredo, O Estado de S.Paulo

22 de outubro de 2013 | 03h06

Antonio Nogueira Neto, de Altamira (PA), está no 3.º ano do ensino médio. Com a escola em greve, tem aproveitado o tempo livre para fazer e refazer textos e postar no Redação no Enem, que tinha 8.854 membros até a noite dessa segunda-feira, 21. "É um bom meio de estudar em casa", opina.

Danilo Costa, de São Paulo, começou a fazer cursinho neste ano e vai prestar o vestibular da Fuvest para Medicina. Há um mês, entrou no grupo do Facebook e tem se oferecido para corrigir redações. "Quando corrijo uma delas, é como se eu mesmo estivesse olhando meu texto e pensando no que eu não posso errar mais. É um exercício excelente", comenta. Ele calcula já ter corrigido cerca de 40 textos e aponta os principais erros dos colegas: redundâncias, uso de clichês e falta de argumentação. Grande parte dos grupos do Facebook é fechada. Mas basta fazer uma solicitação de participação para acessar.

Secretarias. Para ajudar os alunos na preparação para a prova, algumas secretarias estaduais de Educação também usam recursos da web. Em São Paulo, os alunos de 3.º ano da rede pública podem fazer um simulado virtual com base no Enem. Em Minas Gerais, o Plantão Enem oferece conteúdo em vídeo - em que professores debatem temas que podem cair nas provas. No Espírito Santo, o site Espaço Enem também oferece vídeos, dicas e informações sobre o exame do fim de semana.

Mais conteúdo sobre:
Enem

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.