Estudantes são ameaçados e 5 mil ficam sem aulas

Seis escolas estaduais localizadas no entorno da Favela da Chatuba, ocupada de madrugada pela polícia, não abriram ontem e 5 mil alunos tiveram as aulas suspensas. Anteontem, os alunos da Escola Estadual Nuta Bartlet James, em Nilópolis, na Baixada Fluminense, onde quatro dos seis jovens assassinados estudavam, viveram momentos de pânico.

RIO, O Estado de S.Paulo

12 de setembro de 2012 | 03h03

Dois homens sem camisa e descalços invadiram a escola, por volta de 15h, chutaram as carteiras de várias salas de aula e aterrorizaram estudantes e professores. Alguns alunos chegaram a receber mensagens de texto pelo celular informando que haveria um arrastão na escola. "Foi como terrorismo. Nós acionamos a polícia por precaução", afirmou a diretora, Maria Cristina dos Santos.

Por volta das 17h, outra escola de Nilópolis sofreu uma tentativa de invasão. "Os boatos diziam que os bandidos da Chatuba iriam invadir a escola e matariam as crianças", diz Gilber Alecsandro da Silva, pai de uma estudante de 9 anos. Procurada, a Secretaria da Educação informou que as escolas têm autonomia para suspender aulas. /A.P. e F.W.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.