Cristiane Kampf/Assessoria de Imprensa Unicamp-Limeira
Cristiane Kampf/Assessoria de Imprensa Unicamp-Limeira

Alunos da Unicamp de Limeira temem violência após morte de colega

Com medo, estudantes combinam caronas e evitam andar sozinhos; protestos ainda cobram das autoridades mais ações

Ludimila Honorato, O Estado de S. Paulo

06 Abril 2017 | 19h22

A notícia da morte de Sandy Andrade Santos, de 21 anos, a cerca de 2,5 quilômetros da Faculdade de Ciências Aplicadas da Unicamp (FCA) de Limeira, no interior de São Paulo, já preocupa estudantes da universidade. Grupos da faculdade em redes sociais recebem mensagens de pessoas preocupadas e relatos de violência pela região, que são comuns de acordo com os alunos. 

A falta de segurança faz com que os estudantes pensem duas vezes antes de continuar estudando na cidade. É o caso de Giovanna Oliveira, de 18 anos, aluna do curso de Engenharia de Produção, que estuda em período integral e faz algumas aulas à noite. 

"Desde quando entrei, eram relatados casos de assaltos e assédios, o que sempre me deixou preocupada, afinal achava um absurdo morar a 500 metros da faculdade e ter medo de ir a pé, principalmente eu que vim de uma cidade grande como São Paulo", conta. Depois do recente caso, a jovem, que está no segundo ano da faculdade, passou a refletir se vale a pena estar em meio à insegurança durante os cinco anos de curso.

Para evitar riscos, os estudantes combinam caronas em grupos pelo WhatsApp e até companhia para saíram juntos da universidade. A preocupação das meninas é ainda maior. "Tentamos andar em grupo, fazer trajetos onde há mais movimentação e iluminação, mas isso não impede que as violências ocorram, porque a violência contra as mulheres é um problema estrutural causado pelo machismo", diz Samara Messias Santos, de 23 anos, representante da Frente Feminista de Limeira. 

O crime mobilizou os estudantes a reivindicar, em protestos, mais segurança ao redor da universidade e em toda a cidade de Limeira. Na tarde da última terça-feira, 4, um ato idealizado por várias organizações dos câmpus saiu da FCA em direção à prefeitura.

Samara disse que os alunos apresentariam propostas ao secretário de Segurança Pública. "São uma série de solicitações, sugeridas e discutidas com todas as organizações estudantis da universidade, com o intuito de melhorar a segurança pública não só para a universidade, mas para toda a cidade", diz.

No ano passado, os estudantes fizeram uma greve que durou cerca de três meses. Entre as reivindicações, estava a criação de um circular externo.

Respostas. A Polícia Militar de Limeira informou que foram implementadas três viaturas na região da Unicamp de Limeira há cerca de 6 meses por causa do aumento de ocorrências no local, como assaltos. Disse, ainda, que o policiamento é feito de acordo com o número de ocorrências nas regiões da cidade.

Em nota, a Unicamp informou que, desde 2009, quando começaram as atividades do câmpus em Limeira, a diretoria da FCA se esforça junto com o poder público da cidade para aumentar a segurança dos alunos nas proximidades do câmpus e na cidade.

"É preciso esclarecer que temos garantido adequadamente a segurança de alunos, professores e funcionários dentro do câmpus da Faculdade, local onde podemos atuar diretamente. Fora do câmpus da Faculdade, podemos somente pressionar o poder público e colaborar com as polícias militar e civil e com a secretaria de segurança do município, também através da participação de professores e alunos da Faculdade nas reuniões do Conselho de Segurança de Limeira, constantemente cobrando ações de melhoria na segurança pública do município", acrescenta.

Segundo a universidade, há pelo menos dois anos vinha sendo articulada a transferência do quartel da 5ª Companhia da Polícia Militar para um prédio próximo à faculdade. A transferência seria anunciada quando Sandy foi encontrada morta, em 31 de março. Agora, segundo a Unicamp, a iniciativa será concretizada.

Também, de acordo com a universidade, câmeras de vigilância serão instaladas no entorno do câmpus. "Não podemos afirmar que essas ações serão suficientes para garantir a segurança de toda a comunidade fora do câmpus, mas acreditamos que trarão melhorias", diz a nota.

Em relação ao circular externo reivindicado pelos alunos, a universidade informou que os estudantes e a diretoria da FCA teriam uma reunião com o prefeito de Limeira nesta quinta para discutir a questão.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.