Estudante que morreu em navio é enterrada em Bauru

Isabella Baracat morreu a bordo de um cruzeiro universitário e a causa ainda não foi confirmada

Rita Cirne, do estadao.com.br,

21 Dezembro 2008 | 13h28

O corpo da estudante de direito Isabella Baracat Negrato, de 20 anos, que morreu a bordo de um cruzeiro universitário, foi enterrado na manhã deste domingo, 21, no Cemitério da Saudade, em Bauru, a 329 quilômetros de São Paulo.  Veja também: Família de estudante morta em cruzeiro quer explicações Passageira morre em cruzeiro universitário  O pai de Isabella, médico endocrinologista Carlos Antonio Negrato, que se sentiu mal ao saber da morte da filha e passou o sábado internado no Hospital da Unimed, em Bauru, foi liberado para participar do velório e do enterro. A família não quis falar com a imprensa e pediu que os jornalistas fossem afastados da cerimônia de sepultamento. Um parente disse que todos rejeitam as possibilidades de morte por consumo excessivo de álcool e muito menos por drogas. Segundo essa fonte, Isabella consumia alcoólicos moderadamente e não usava drogas. A posição da família é não produzir declarações que possam tumultuar as apurações, mas acompanhar de perto tudo o que a polícia fornecer de informações e, principalmente, os laudos que o IML vai emitir a partir do material colhido em São Sebastião. A causa da morte ainda não foi confirmada. Segundo a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP), o delegado do 1º DP de Ilhabela, José Luiz Tibiriçá, pediu que o corpo da vítima fosse examinado por peritos do Instituto Médico Legal de São Sebastião e o resultado do exame deve ser liberado em 30 dias. O delegado quer se manifestar apenas após a divulgação do resultado, já que a Polícia Civil considerou a morte "suspeita" e espera a conclusão da investigação. A jovem estava no navio MSC Opera, fretado pela empresa Forma Eventos para o cruzeiro. Quando passou mal, foi atendida pelo corpo de médicos do navio e ao ser verificada a gravidade do caso, foram chamados Policiais Federais. Esses constataram a morte e ouviram amigos da vítima. Também foi feita uma revista na cabine da estudante,com a presença do comandante do navio e de uma amiga da jovem. Segundo o boletim de ocorrência, a cabine já havia sido arrumada e esvaziada e nada de suspeito foi encontrado no local.  (Jair Aceituno, especial para o Estado) Ampliada às 18h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.