Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Estudante é vítima de ataque com seringa na Estação Paraíso do Metrô

Jovem de 18 anos procurou um infectologista, foi medicada e passou por exames; suspeito está sendo procurado

Juliana Diógenes e Alexandre Hisayasu, O Estado de S. Paulo

26 Agosto 2016 | 17h39

Uma estudante de 18 anos foi vítima de um ataque com seringa na Estação Paraíso, da Linha-1 Azul do Metrô. O caso ocorreu às 6h30 de quinta-feira da semana passada, dia 18, na estação localizada na Rua Vergueiro, no centro da capital. A ocorrência está sendo investigada pela Delegacia de Polícia do Metropolitano (Delpom). 

A vítima conta que, ao desembarcar na Estação Paraíso, sentiu um pequeno incômodo na região da nádega quando subia as escadas rolantes, junto com sua mãe. Ela continuou o percurso, sem prestar atenção ao ocorrido. Ao chegar em casa, em São Caetano do Sul, na Grande São Paulo, notou uma vermelhidão no glúteo direito. 

LEIA: 'Você nunca imagina que possa ser real. Pensa que é lenda', diz mãe de jovem atacada com seringa

A jovem decidiu procurar um infectologista no Centro de Especialidade Médica Samuel Klein, na cidade onde mora, que diagnosticou uma área endurecida e avermelhada na região. A vítima foi medicada e passou por exames de HIV, hepatite B, hepatite C e sífiles. Todos os testes tiveram resultado negativo. 

No dia seguinte, 19, a estudante registrou boletim de ocorrência no 1º Distrito Policial de São Caetano do Sul. O caso foi transferido para o 36º DP (Vila Mariana), que recebe ocorrências da região do Paraíso, e será investigado pelo Delpom. A mãe da jovem, que viu o suspeito, vai fazer um retrato falado na próxima terça-feira. 

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) informou que a vítima prestou depoimento na Delegacia do Metropolitano nesta quinta-feira, 25. A polícia tenta localizar o autor a partir das informações passadas pela estudante.

Em julho, a Justiça de São Paulo decretou a prisão temporária de Antonio Nogueira de Santana,  suspeito de ser o responsável por atacar mulheres com uma seringa na região central da capital. Ele foi abordado pela Polícia Militar no dia 30 de julho e estava com uma seringa no bolso. 

O homem seria o responsável por perfurar uma médica peruana pelas costas, na Avenida Paulista, no centro, no dia 22 de junho. Ela andava pela Avenida Paulista com uma amiga quando sentiu uma picada no ombro. A médica foi quem ajudou a polícia a fazer o retrato falado do suspeito. O 78º DP instaurou inquérito de lesão corporal e periclitação da vida (quando expõe outra pessoa a perigo). 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.