Estudante é condenado a 7 anos de prisão por morte em racha

Em 2006, Rainer Gaspar, de 24 anos, atravessou sinal vermelho e bateu em moto de servidor municipal

Chico Siqueira, especial para o Estado,

09 Fevereiro 2010 | 19h15

O Tribunal do Júri de Marília, interior de São Paulo, condenou a sete anos de prisão, em regime semiaberto, o estudante de medicina Rainer Willian Aguiar Gaspar, de 24 anos, que em novembro de 2006 causou a morte do servidor municipal Cícero José Santana, de 42 anos, e ferimentos graves no vendedor Matheus Teodoro da Silva, de 26, durante um racha pelas avenidas da cidade.

 

Segundo os autos, Gaspar atravessou o sinal o vermelho em alta velocidade e bateu contra a moto dirigida por Santana, que trazia o vendedor na garupa. Por 4 votos a 3, depois de seis horas de sessão, os jurados condenaram Gaspar a seis anos por homicídio com dolo eventual e a mais um ano por lesões corporais de natureza grave.

 

A condenação atendeu a tese da acusação e foi contra a defesa, que queria desqualificar a acusação para homicídio culposo. Gaspar, que na época dirigia uma caminhonete, tirava o racha com outro estudante de medicina Samuel Manduqui, que conduzia um Audi esportivo. Julgado em 2008 por lesões graves, Samuel foi absolvido, mas o Ministério Público recorreu e espera novo julgamento.

 

Mais conteúdo sobre:
rachaSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.