Leonardo Soares/AE
Leonardo Soares/AE

Estudante é assassinado dentro do estacionamento da FEA-USP

Aluno de Ciências Atuariais, Felipe de Paiva, 24 anos, foi morto com tiro na cabeça durante assalto

Pedro da Rocha, do estadão.com.br,

18 Maio 2011 | 22h55

SÃO PAULO - O estudante de 4º ano de Ciências Atuariais Felipe Ramos de Paiva, de 24 anos, foi assassinado na noite de quarta-feira, 18, no estacionamento da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da Universidade de São Paulo (USP), na Cidade Universitária. Ele foi baleado na cabeça por volta das 21h40, depois de assistir a uma aula de Contabilidade no campus do Butantã, na zona oeste de São Paulo.

 

 Veja também:

link Em carta aberta, alunos pedem mais segurança

link Universitários protestam por segurança no campus

linkAulas suspensas na faculdade

 

Uma testemunha, que é amiga da vítima, teria ligado para a mãe da noiva de Paiva para contar que o estudante teria ido ao caixa eletrônico para tirar dinheiro. Mas, não se sabe se ele foi tirar antes ou depois da abordagem dos bandidos. A testemunha teria então visto Paiva correndo dos bandidos até seu carro, que era blindado, para tentar fugir do assalto.

 

O estudante ainda teria entrado em luta corporal com o suposto assaltante, com a porta do carro já aberta. Foi quando o assassino sacou a arma. Felipe ainda tentou entrar no veículo blindado para se proteger, mas não deu tempo. Após balear o jovem, o bandido fugiu.

 

Segundo a polícia, um guarda universitário ouviu um disparo e correu para o estacionamento da faculdade. Lá, encontrou Paiva já morto. Um dos pés do rapaz estava dentro do carro e o resto do corpo, do lado de fora. Ao lado, havia uma chave quebrada, um celular e um par de óculos. A mochila do estudante estava no banco de trás do veículo e aparentemente nada foi roubado.

 

A maçaneta do carro do universitário foi quebrada, o que, segundo um PM, pode ter ocorrido durante a luta corporal. Aparentemente não havia câmeras focalizando o local do crime. Ao lado do corpo a polícia encontrou uma cápsula calibre 380.

 

O pai contou que Paiva morava com a família em Pirituba, na zona norte, e trabalhava em uma empresa de gestão de fundos e investimentos na Avenida Brigadeiro Faria Lima. Obstinado, sonhava em crescer na vida para poder depois realizar o grande sonho: ser piloto de avião. "Era o grande sonho dele. Ele trabalhava muito, era workaholic, queria realizar isso em pouco tempo", disse uma amiga. Segundo ela, o Passat tinha sido comprado pelo rapaz havia poucos meses. "Não tô acreditando que isso aconteceu", disse Rebeca Nogueira, de 23 anos, amiga de Felipe.

 

O pai da vítima, Ocimar Paiva, contou à reportagem do estadão.com.br que o filho resolveu blindar o carro, após sofrer dois assaltos dentro de ônibus. Cuidadoso, ele sempre pedia que Felipe tomasse cuidado, em razão de notícias de assaltos a carros na região da faculdade. Para tranquilizá-lo, jovem dizia que o carro era blindado, ao que Ocimar respondia: "mas, você não".

 

Já a mãe, Zélia Ramos, inconformada e aos prantos, lamentou: "Não acredito que amanhã vou ter que enterrar meu filho". Felipe deixa uma irmã e estava noivo. Iria se casar quando terminasse a faculdade.

 

O 93º DP, que atende a Cidade Universitária, registrou quatro casos de homicídios e três tentativas neste ano - em toda a região, que inclui o Jaguaré. Por outro lado, houve o registro de 285 roubos, 634 furtos e 120 roubos de veículos. Uma das hipóteses da polícia para o caso de Paiva é a saidinha de banco, em que as bandidos esperam a vitima sair após um saque no banco ou caixa eletrônico. A Secretaria da Segurança Pública (SSP) não divulgou os números relativos ao primeiro quadrimestre de 2010.

 

A notícia da morte do estudante começou a circular nas redes sociais, especialmente no Twitter, por volta das 22h. Meia hora depois, alunos começaram a criticar a segurança na USP. "Cara, eu sempre brincava com esse negócio de: toma cuidado no estacionamento da FEA, pra não ser sequestrado", disse um aluno. "Precisa acontecer isso para fazerem algo", afirmou outro. COLABOROU DENIZE GUEDES.

 

Texto atualizado às 03h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.