Marcos de Paula/AE
Marcos de Paula/AE

Estudante cai de 5º andar de escola tradicional do Rio

Polícia vai requisitar as imagens das câmeras de segurança e ouvir os funcionários do Colégio São Bento

CLARISSA THOMÉ , HELOISA ARUTH STURM / RIO, O Estado de S.Paulo

02 Outubro 2012 | 03h03

A Polícia Civil do Rio abriu inquérito para investigar a queda de um aluno de 12 anos do 5.º andar do Colégio São Bento, um dos mais tradicionais do País. O episódio aconteceu na tarde de sexta-feira, 28, no horário da saída, e só foi comunicado à polícia na tarde do dia seguinte. O delegado Aldrin Genuíno da Rocha informou que vai requisitar as imagens das câmeras de segurança e ouvir os funcionários da escola.

"As informações (prestadas por um representante da escola) são precárias. Não esclarece se ele caiu da janela de uma sala de aula ou de uma área comum. Vou requisitar uma perícia descritiva", afirmou Rocha, que é delegado adjunto da 1.ª DP (Praça Mauá). "É cedo para afirmar o que houve. Vamos ouvir também o serviço de psicologia para entender como era a personalidade da criança, como se comportava."

O estudante caiu do quinto andar por volta das 16h30. Ele foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros e levado para o Hospital Municipal Souza Aguiar. De acordo com as primeiras informações, o menino teve traumatismo craniano, fratura da bacia e ruptura do baço - o órgão foi extraído em cirurgia. Ele está internado em estado grave no Centro de Tratamento Intensivo. Na tarde de ontem, a Secretaria Municipal de Saúde informou que os médicos não detalhariam o boletim médico "em respeito" à criança.

Ontem, parentes e amigos se reuniram na capela do hospital, em uma missa pela recuperação da criança. Muito emocionados, alguns ainda ficaram no local, à espera de informações. Ninguém quis dar entrevista. "Respeitem a dor da família", pediu uma mulher, que não se identificou.

Depressão. O São Bento não suspendeu as aulas. Nesta segunda-feira, 1, o movimento foi normal na escola. Pais de alunos e estudantes relataram que o adolescente, cuja mãe seria professora na instituição, sofria de depressão. De acordo com o pai de um estudante do ensino médio, o local onde teria ocorrido a queda é uma área onde os alunos costumam se reunir à espera dos elevadores. Ele relatou que circulavam rumores de que o garoto de 12 anos teria retirado o óculos, os sapatos e a mochila antes da queda.

Em nota, o São Bento lamentou o episódio, ao qual a instituição se referiu como "queda de alta gravidade". "O momento é de reserva, dentro dos limites possíveis, e nos colocamos na posição de silêncio respeitoso, atendendo o pedido da família", informava o texto. O Estado procurou a instituição, questionando sobre a instalação de grades e redes de proteção. A Assessoria de Imprensa informou que só se manifestaria pela nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.