Estudante assassinada em Diadema sonhava em ser veterinária

Tamires da Silva passou a última segunda-feira procurando emprego; jovem queria trabalhar e estudar

Gabriela Gasparian, do Jornal da Tarde,

14 de agosto de 2007 | 16h13

A estudante universitária Tamires da Silva Pança Burlani, de 19 anos, morta na noite de segunda-feira, 13, em uma tentativa de assalto na região central de Diadema, na Grande São Paulo, sonhava em ser veterinária. Após ter cursado um ano na faculdade de educação física, ele trancou o curso e pretendia primeiro conseguir um emprego para, em seguida, se dedicar aos estudos. Sonho que fora interrompido bruscamente por volta das 21h30. A jovem passou a segunda-feira inteira junto a uma amiga procurando emprego. Com experiência em vendas, ela tentava uma vaga de auxiliar em uma empresa da cidade. Depois disso, foi à casa de sua amiga e ficou lá durante o final de tarde. Já de noite, ela saiu da casa e seguiu para a residência de seus avós, com quem morava - a mãe havia morrido há seis anos e o pai mora com outra família. Ao parar com seu Corsa no semáforo do cruzamento da Avenida Conceição com a Avenida Presidente Kennedy, foi abordada por um criminoso. Armado, o bandido teria exigido o carro da vítima, que foi baleada com um tiro no lado esquerdo do lábio superior. Segundo a perícia, a estudante, que teve apenas a bolsa roubada pelo assassino, foi baleada quando tentava soltar o cinto de segurança. Como não há marcas de pneu no asfalto, a polícia acredita que ela não teria tentado acelerar o veículo. Policiais militares do 24º Batalhão ainda foram acionados, mas não houve tempo da estudante ser encaminhada para algum hospital. O assaltante, segundo testemunhas, após atirar correu e fugiu em um Fiat Uno, cuja proprietária, a estagiária Ana Karina da Costa, de 22 anos, foi abordada a 50 metros do local do crime. Grávida, a jovem está em estado de choque. O carro acabou sendo localizado minutos depois no bairro de Americanópolis, na zona sul da capital paulista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.