Estrutura inclui banco de tecidos e oficina de próteses

'Fazemos personalizado para o paciente', diz o chefe de seção; serviços são até mais antigos que a própria entidade

O Estado de S.Paulo

04 de agosto de 2013 | 02h04

Além do atendimento constante há 60 anos, o Instituto de Ortopedia e Traumatologia também é o atual responsável por serviços que começaram bem antes de 1953, como o banco de ossos (criado em 1950 e transformado em banco de tecidos em 1993), e a oficina de próteses, em 1944.

O banco de tecidos consiste em três "geladeiras" enormes que conservam partes de ossos, e outros materiais para transplante, a -80°C. "São 12 doadores por ano, em média. Cada um 'serve' a cerca de dez pacientes", conta a enfermeira Graziela Maragni, responsável pelo controle de qualidade do setor.

Quando é preciso uma prótese (cada vez mais necessárias, pois o número de amputações em decorrência de acidentes dobrou de 2011 para 2012), elas são fabricadas no hospital. "Fazemos a prótese personalizada para o paciente", orgulha-se o chefe da divisão, Antonio Carlos Ambrosio. Trabalham no departamento 47 funcionários, todos formados ali mesmo.

Em média, são 1,3 mil atendimentos por mês. O que não significa 1,3 mil pacientes. "O sujeito vem aqui mais de uma vez. Precisa medir, experimentar", explica Ambrosio. "Depois, vem o treinamento do uso." Para a confecção propriamente dita, leva-se cerca de oito dias. Mas, até o paciente receber "alta" do departamento, lá se vão dois meses. / E.V. e C.V.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.