Estrelas da TV batem cartão na periferia

Artistas fazem sucesso em programa que leva cultura gratuita a extremos da cidade

ADRIANA FERRAZ, JULIANA DEODORO, O Estado de S.Paulo

15 Julho 2012 | 03h07

Glória Menezes, Fernanda Montenegro, Fábio Assunção e Reynaldo Gianecchini. Parece elenco de novela, mas é só parte da lista de artistas que estão ou já estiveram em cartaz na periferia de São Paulo neste ano. Em sua terceira edição, o programa CEU é Show cresceu e já alcança investimentos mensais de R$ 711 mil para levar cultura gratuita e de qualidade aos extremos da capital.

O cardápio inclui espetáculos teatrais e shows de música. No ano passado, 725 atrações passaram pelos teatros dos 45 Centros Educacionais Unificados (CEUs). Neste ano, o número vai passar de 800, com duas novidades: até o fim do ano, a Prefeitura planeja acrescentar musicais e humor, no estilo stand up, ao conjunto de atrações.

Para assistir, basta retirar o convite nas bilheterias e ficar atento à programação. De acordo com a peça e o show, é preciso reservar o ingresso com antecedência. A dica vale principalmente para atrações comandadas por galãs e divas do teatro.

E não são poucas as oportunidades. Hoje à noite tem Glória Menezes e Fábio Assunção na zona leste. A atriz cumpre sua segunda temporada nos CEUs e, até o fim do mês, será recordista de público com a peça Ensina-me a Viver, que deve ser vista por mais de 28 mil pessoas - até ontem, 25 mil já haviam assistido.

"Esse programa é uma das maiores surpresas da minha carreira. Nunca poderia imaginar que encontraria na periferia teatros tão bem cuidados e frequentados por um público tão ávido por cultura. Tenho 52 anos de carreira e posso dizer que ela já teria valido a pena só por essa experiência", disse Glória, que se apresenta sempre às sextas e aos sábados e domingos.

A relação próxima com o público é o que atrai a atriz. "Tenho conhecido pessoas incríveis. A plateia é muito misturada, tem gente jovem, idosa. Para muitos, é a primeira vez em um teatro."

Sucesso. Espécie de "garota-propaganda" do programa, Glória já convenceu colegas a segui-la em turnês pela periferia. No boca a boca, arrastou Denise Fraga e seu espetáculo Sem Pensar e Fábio Assunção, em cartaz com o sucesso Adultérios. Com texto adaptado de uma peça de Woody Allen, o espetáculo é sucesso nos CEUs. "No fim, a sensação é de que acabou um show de rock. Temos uma cumplicidade enorme com quem vai nos assistir", diz. "Esse projeto é ótima oportunidade de quebrar o tabu de que a periferia não se comporta ou não gosta de teatro."

Coordenador artístico do programa, Daniel Guth explica que a escolha da programação se baseia em critérios educacionais. "Nosso trabalho visa à formação do público. Por isso, estudamos as peças que estão em cartaz para ver se têm o nosso perfil. Depois, fazemos o convite", diz.

Para estrear, o artista deve se comprometer a cumprir uma temporada nos CEUs e interagir com o público, geralmente por meio de um bate-papo determinado até em contrato. Comandado pela Secretaria Municipal da Educação, o CEU é Show já entrou para o circuito cultural da cidade. Neste ano, o investimento deve passar de R$ 7 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.