Estreia hoje filme das ''mammas'' da Festa de São Vito

Documentário mostra o trabalho das 20 voluntárias que preparam todos os anos massas e antepastos da tradicional atração do Brás

Ana Bizzotto, O Estado de S.Paulo

14 de maio de 2010 | 00h00

A história das "mammas" que preparam as iguarias da tradicional Festa de São Vito, no Brás, região central de São Paulo, virou filme. O documentário Le mamme di San Vito, que estreia hoje em sessão no Circolo Italiano, conta a história dessas senhoras que, com a renda do trabalho voluntário feito há décadas, ajudam a manter uma creche.

Descendentes de imigrantes vindos de Polignano a Mare, na região da Puglia, na Itália, as 20 mammas preparam toda a comida da festa, que chega a receber 4 mil pessoas por noite. A 92.ª edição do evento que homenageia o santo padroeiro da cidade natal de seus pais e avós começa no dia 22 e segue até 4 de julho, sempre nos fins de semana.

 

Nascido na mesma cidade de origem das mammas, o diretor do documentário, Gianni Torres, acompanhou a rotina de preparação da festa de 2009. "A importância social e cultural do trabalho delas é enorme. Elas ajudam a creche e mantêm as receitas inalteradas há mais de 90 anos. Essa tradição precisa ser preservada", afirma Torres. Segundo ele, o preparo desses pratos na Itália já não é mais tão original porque o modo de fazer mudou com o tempo.

O documentário estreia hoje com direito, claro, a um cardápio preparado especialmente por elas. A trilha sonora do filme será executada ao vivo pelo acordeonista Vincenzo Abbracciante, que também se apresenta amanhã na Virada Cultural. O filme, ainda sem distribuidor, pode ser encomendado no site www.lemammedisanvito.com.

Artesanal. O molho para cada fim de semana de festa dá a dimensão do trabalho: uma tonelada de tomates cozidos, picados um a um, batidos e peneirados. "Aqui não há revezamento. Somos nós todas, de manhã, à tarde e à noite", conta Gina Labatti, de 78 anos. Com faixa etária entre 71 e 87 anos, as mammas mantêm um ritmo industrial, mas fazem questão de preparar de forma artesanal os pratos típicos, como a ficazzella (veja receita ao lado). "Cada uma cuida de uma barraca, mas todas se ajudam. A gente dá risada, se diverte", diz Madalena Batelli, de 76 anos.

Creche. Além da festa, elas preparam almoços e jantares quinzenais. Toda a renda vai para a creche, que fica no mesmo endereço da Associação Beneficente São Vito Mártir, local dos eventos. "Se não fosse o trabalho delas, não teria a creche. Só o dinheiro da Prefeitura não paga as despesas", diz a diretora Edmeia Moraes. A instituição reúne crianças de 4 meses a 3 anos.

RECEITA DA LEGÍTIMA "FICAZZELLA"

Massa

1 kg de farinha

1 batata grande cozida e espremida

6 colheres (sopa) de óleo

1 colher (sopa) de fermento

biológico dissolvido em água

1 colher (sopa) de sal

1 colher (sobremesa) de açúcar Água

Recheio

1/2 kg de mussarela picada

1/2 kg de tomate picado

Orégano e sal a gosto

Modo de fazer

Para a massa, misture os ingredientes e amasse. Coloque a água aos poucos, até a massa desgrudar da mão. Depois, abra a massa com rolo de macarrão até deixá-la com a espessura de 0,5 cm. Corte em formato redondo, no tamanho de um pires de chá. Acrescente o recheio ao meio e feche no formato meia lua. Frite com bastante gordura.

Rendimento

28 ficazzellas

Serviço

LE MAMME DI SAN VITO

ESTREIA: HOJE, ÀS 18H, NO CIRCOLO ITALIANO (EDIFÍCIO ITÁLIA - AV. SÃO LUIZ, 50). RESERVAS: 11 3660-8888

FESTA DE SÃO VITO

DE 22/5 A 4/7 (SÁBADOS, ÀS 20H; DOMINGOS, ÀS 19 H). RUA FERNANDES SILVA, 96, E RUA POLIGNANO A MARE, 255, BRÁS. RESERVAS: 11 3227-8234

 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.