Estradas terão o triplo de bafômetros

Polícia Rodoviária Estadual promete usar 349 aparelhos para flagrar motoristas bêbados neste carnaval; nas ruas da capital, serão 40

GIO MENDES, BRUNO RIBEIRO , O Estado de S.Paulo

17 de fevereiro de 2012 | 03h03

A Polícia Militar Rodoviária vai triplicar, a partir de hoje, o número de bafômetros disponíveis para fiscalizar o cumprimento da lei seca nas estradas paulistas. Serão, ao todo, 349 bafômetros. Ao mesmo tempo, na capital, a PM vai montar pontos de bloqueios nas imediações do sambódromo do Anhembi, na zona norte, e de clubes e casas noturnas que promovem bailes de carnaval.

Segundo a tenente Fabiane Pane, do Comando de Policiamento Rodoviário, a corporação adquiriu 233 bafômetros novos no mês passado. Além disso, 4 mil policiais participarão da operação, 80% mais do que o efetivo usado nos dias normais. As blitze ocorrerão das 19h de hoje até o meio-dia da quarta.

Do total de novos bafômetros, 200 são etilômetros passivos, que confirmam que o motorista está sob o efeito de álcool sem que ele precise soprar o equipamento. "Isso reduz o prejuízo de tempo para as pessoas que estão corretas", diz Fabiane.

Segundo o major Joselito Sarmento de Oliveira Junior, do Comando de Policiamento de Trânsito (CPTran), 150 PMs vão participar da Operação Lei Seca na capital, que terá 40 bafômetros. As blitze do CPTran começam às 22h de hoje e só terminam às 6h de quarta-feira.

Serão 20 pontos de bloqueios na cidade - oito perto do sambódromo. "Quando instalamos um bloqueio, as pessoas se comunicam pelas redes sociais para informar a localização dele. Com o revezamento dos pontos, conseguimos manter o fator surpresa", disse Oliveira Junior.

Nas estradas federais. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) não divulgou o número de bafômetros nas rodovias federais paulistas. Mas afirmou que os dez postos do Estado vão manter equipes itinerantes com aparelhos e fazer rondas nos trechos de maior necessidade. Em todo o País, a PRF terá 9.200 agentes e nove helicópteros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.