Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Estradas de SP terão mais radares no feriado de Corpus Christi

Do final de abril de 2014 ao início de junho deste ano, foram instalados 269 radares fixos nas rodovias do Estado de São Paulo

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

02 Junho 2015 | 18h18

SOROCABA - O motorista que exceder a velocidade nas estradas durante o feriado prolongado de Corpus Christi vai correr risco maior de ser multado. Do final de abril de 2014 ao início de junho deste ano, foram instalados 269 radares fixos nas rodovias do Estado de São Paulo. O número subiu de 414 para 683 equipamentos. O último lote de nove radares entrou em operação na última segunda-feira, 1º, no trecho paulista da federal Fernão Dias, que liga São Paulo a Belo Horizonte.

Esses aparelhos já estavam instalados, mas só nesta semana passaram a aplicar multas. Outros duzentos radares fixos foram distribuídos por rodovias administradas pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER), como a Raposo Tavares e a Manoel Hypolitto do Rego (Rio-Santos). A rodovia Floriano Rodrigues Pinheiro, acesso à cidade de Campos do Jordão, tem quatro radares fixos em operação desde janeiro deste ano.

O policiamento também será 22% maior nas rodovias estaduais, conforme anunciou nesta terça-feira, 2, o governador Geraldo Alckmin (PSDB). O feriado terá 2.383 policiais, além de 942 viaturas, 93 motocicletas e 14 helicópteros. No ano passado, foram mobilizados 1.951 policiais. As vias de acesso a Campos do Jordão serão alvo de operação especial da Polícia Militar Rodoviária.

Em razão do frio, as estradas que levam para a região da Mantiqueira devem ter o maior aumento em volume de tráfego no feriado prolongado. A Secretaria de Logística e Transportes do Estado prevê 800 mil veículos seguindo para a região serrana e outras regiões do interior. Pelas vias estaduais que atendem o litoral devem passar 410 mil veículos. Durante todo o feriado, 2,7 milhões de veículos devem transitar pelas rodovias concedidas à iniciativa privada, segundo a Agência de Transportes do Estado de São Paulo (Artesp).

Chuva e neblina podem ser fatores de risco para os motoristas. Em 6,4 mil quilômetros de vias concedidas, a Artesp identificou 60 pontos críticos para neblina, totalizando 460 quilômetros. A maior extensão de vias sujeitas à cerração nesta época está na região de Campinas, com 157 sujeitos a ficar encobertos, dos quais 67 na Bandeirantes.

Mais conteúdo sobre:
Corpus ChristiSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.