Estradas de SP têm obras suspensas

Exceção é a Régis, com 4 interdições até Curitiba; expectativa é de que 1,5 milhão de carros deixem a capital e melhor horário é após as 22h

BRUNO RIBEIRO, O Estado de S.Paulo

23 Dezembro 2011 | 03h03

Quem planeja passar o Natal longe da capital paulista deve optar por esperar até as 22 horas para pegar a estrada. A expectativa é de que 1,5 milhão de carros deixem São Paulo. Para evitar a criação de gargalos ao longo das rodovias, todas as concessionárias interromperam obras que bloqueavam as faixas de circulação. A exceção é a Rodovia Regis Bittencourt. E, mesmo assim, lá as obras são em municípios distantes da capital em ao menos 314 quilômetros.

O maior volume de trânsito esperado é no Sistema Castelo Branco-Raposo Tavares. Serão cerca de 700 mil veículos percorrendo a rodovia ao longo da próxima semana - metade desse fluxo só entre hoje e amanhã. É menos do que o registrado no Natal do ano passado, que teve dois dias a mais de feriado. Por causa das ruas estreitas que dão acesso à Raposo, a dica é entrar na pista pela Avenida Escola Politécnica, que terá monitoramento especial feito pela CET.

De acordo com os números das sete concessionárias responsáveis por todas as rodovias que deixam a cidade, haverá fluxo maior de veículos seguindo viagem no Natal para o interior do que para o litoral. Mesmo assim, a Ecovias, responsável pelo Sistema Anchieta-Imigrantes, deve inverter o esquema de funcionamento das pistas no domingo: oito faixas terão sentido capital, enquanto apenas duas no sentido litoral. Na semana que vem, já a partir de terça-feira, haverá nova inversão: sete faixas serão direcionadas para o litoral e três, para a capital.

A Via Anchieta já tem uma faixa adicional na altura do Riacho Grande, em São Bernardo do Campo - um dos principais gargalos da pista. No litoral, os semáforos da Rodovia Cônego Domenico Rangoni, que dão acesso ao Guarujá, foram eliminados com a construção de um viaduto - o que deve dar mais fluidez às pistas.

Na Imigrantes, começa hoje a cobrança de multas para quem ultrapassar dos 100 km/h entre os km 39 e 56,3 (do planalto, pouco antes da interligação com a Anchieta, no fim do trecho dos túneis). A velocidade máxima havia sido reduzida dos antigos 120 km/h no dia 15, mas a Agência Reguladora de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp) deu uma semana para os motoristas se acostumarem antes de começar as autuações. A medida foi tomada em reação ao engavetamento de 300 veículos na via em setembro, no trecho de planalto.

A recomendação para viajar após o horário de pico vale também nas estradas federais. Quem vai viajar para a região de São José dos Campos ou Taubaté pela Rodovia Presidente Dutra terá a companhia de 6 mil veículos por hora, entre as 16 e as 20 horas de hoje, segundo a concessionária NovaDutra. A concessionária diz que as obras na pista sentido São Paulo, na região de Taubaté, não atrapalham mais a pista. O bloqueio começou após a descoberta de um buraco no viaduto de acesso à cidade.

Atropelamentos. Para evitar atropelamentos na Rodovia Anhanguera, entre São Paulo e Jundiaí, a concessionária Autoban e a Polícia Militar Rodoviária farão um esquema para centralizar a distribuição de donativos a crianças. Segundo a empresa, é comum que, durante o fim de ano, crianças sigam para o acostamento da rodovia para pedir donativos - o que aumenta os riscos de batidas entre os veículos e coloca as crianças em perigo. No Natal do ano passado, houve registro de três atropelamentos na rodovia - em um total de 82 acidentes de trânsito.

No domingo, das 14h às 22h, os caminhões com destino à capital devem evitar a Rodovia dos Bandeirantes e seguir pela Anhanguera entre o km 48 e o km 23.

A Polícia Rodoviária promete manter bafômetros em todas as saídas da capital.

Interdições. O acesso ao Sul do País é o único com interdições programadas nas rodovias. A Autopista Régis Bittencourt terá quatro pontos de bloqueio parcial entre São Paulo e Curitiba com obras: na cidade de São Lourenço da Serra, no sentido Curitiba, a pista é reduzida para apenas uma faixa. O mesmo acontece no sentido São Paulo, na altura da cidade de Miracatu.

Já em Cajati, no sentido Curitiba, há um desvio de cerca de 500 metros, também em pista única, por causa de obras de recuperação de viadutos. A situação é a mesma na altura de Juquitiba.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.