Estrada-parque teve corte de 8 mil árvores

Via na zona leste serviu de compensação por ampliação da Marginal do Tietê

DIEGO ZANCHETTA , RODRIGO BURGARELLI, O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2012 | 03h03

Construída para compensar os danos ambientais da ampliação da Marginal do Tietê, a estrada-parque da zona leste deveria ser hoje a maior área verde pública de São Paulo, com 23 vezes mais árvores do que o Parque do Ibirapuera, na zona sul. Mas a Dersa, responsável pela via que custou R$ 79 milhões e exigiu o corte de 8.137 árvores, 60% delas nativas, só replantou o mesmo número de espécies retiradas.

Outras 330 mil mudas que deveriam suprimir o impacto do corte feito durante a construção foram compensados com a obra da própria estrada. Os registros oficiais dos cortes, remoções e plantios de mudas estão em pesquisa inédita apresentada na USP e obtida pelo Estado.

A estrada-parque deveria ser uma compensação pelas 717 árvores retiradas para a construção das novas pistas da Marginal e pelos 19 hectares (30 campos de futebol) de solo impermeabilizados. Mas, durante a obra da estrada e de sua ciclovia foram autorizados pela Secretaria Municipal do Verde o corte de mais de 8 mil espécies, mais da metade de árvores nativas como Capororocas, Leucena, Guaçatomba e Quina-do-Mato. A compensação exigida era o replantio de 338.011 mudas, no mesmo local, de espécies nativas.

"Uma falha da lei de compensações é permitir que parte da contrapartida ambiental seja paga em obras. No caso da estrada parque, a própria estrada virou a compensação no lugar de mais de 300 mil mudas. É como se uma empreiteira construísse um prédio e dissesse que a própria obra era uma compensação pelas árvores retiradas", afirmou a pesquisadora Luciana Shwandner Ferreira, da Faculdade de Arquitetura da USP, autora do levantamento.

Sem sombra. A reportagem percorreu a estrada-parque e constatou que a maior parte das mudas plantadas no final de 2009 na via, adjacente à Rodovia Ayrton Senna e ao Parque Ecológico do Tietê, alcançou menos de 1 metro.

Poucas pessoas circulam pela estrada-parque e pela ciclovia, cujo trecho final, até Itaquaquecetuba, segue incompleto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.