Estilo Jardins se espalha pelo interior

Representantes de cidades como São José do Rio Preto e Ribeirão Preto vêm a São Paulo tentar copiar o luxo da Rua Oscar Freire

Diego Zanchetta, Valéria França, O Estado de S.Paulo

18 de julho de 2010 | 00h00

"Embaixadora" dos Jardins, a paulistana Rosangela Lyra já se acostumou a receber representantes de prefeituras do interior interessados em criar miniversões da Rua Oscar Freire, o bulevar mais elegante da capital. Mais do que isso: "Eles querem entender como a rua consegue reunir segurança, acessibilidade e conforto, além das melhores lojas", diz a presidente da Associação dos Lojistas da Oscar Freire.

A via virou exemplo nacional. E, entre os interessados em importar seu estilo, estão as cidades paulistas São José do Rio Preto e Ribeirão Preto. Conhecida durante anos como cidade-dormitório, Jundiaí é outro município cuja prefeitura anda disposta a adotar o jeito Oscar Freire. Em agosto, Rosangela deve receber uma comitiva do município ? que fica a 60 km de São Paulo e tem cerca de 350 mil habitantes ?, que já se organiza para a mudança.

De um lado, a prefeitura trabalha em cima de um plano de urbanização das calçadas. Terá piso tátil, guias rebaixadas e acessibilidade garantida, exatamente como ocorre atualmente com as calçadas da Oscar Freire. De outro, numa reação espontânea, pequenos empresários vão absorvendo o estilo de luxo paulistano e transformando a Rua Eduardo Tomanik na Chácara Urbana (veja na C4). "O conceito da minha loja saiu de uma viagem a Nova York, mas a decoração e o serviço surgiram com base nas lojas da Rua Oscar Freire", comenta a paisagista Ana Violi, de 47 anos, dona de uma loja homônima, com 300 m², famosa por ser a única a vender com exclusividade grifes como Huis Clos e Alexandre Herchcovitch.

A Maison Ana Violi foi a primeira desse tipo na Rua Eduardo Tomanik. Depois, surgiram dois spas, uma loja diferenciada de objetos de decoração e um dos melhores cabeleireiros de Jundiaí. "Até então, só Campinas era conhecida como um centro com serviços de luxo", diz Ana.

Campinas, aliás, já oferece hoje várias das marcas que têm lojas na Oscar Freire, incluindo Le Lis Blac, Lilla Ka, Maria Bonita Extra, Timberland e Sergio K, entre outras. "As grifes paulistanas fazem muito sucesso no interior", observa Sergio Kalamakian, dono da Sergio K, de moda masculina, que está abrindo a segunda loja campineira.

Crescimento do luxo. O avanço desse mercado de luxo pelo Estado foi medido em recente pesquisa do Banco Merrill Lynch. Segundo relatório divulgado no fim de junho, o interior paulista concentra o segundo filão desse segmento no Brasil. O primeiro é a capital. Jundiaí, Ribeirão Preto e São José do Rio Preto, que somam 1,2 milhões de habitantes, contam com um mercado de luxo maior que o do Rio.

Megalojas com café, lounge, provadores decorados e atendentes, que trabalham como consultoras de moda, fazem parte dessa nova realidade. Em Ribeirão Preto, por exemplo, foi inaugurada há um ano a Ammirati, loja de 1.600 m² que virou a atração local. Trabalha com 35 marcas famosas, como as internacionais Marc Jacobs, Marc by Marc, Stella McCartney e Lanvin, anteriormente privilégio de estabelecimentos da capital, e com as principais grifes presentes na São Paulo Fashion Week.

Localizada no Sumaré, bairro nobre de Ribeirão, a Ammirati demorou dois anos para sair do papel. Nesse período, a empresária Rosana Macchione Magdalena, uma espécie de Eliana Tranchesi do interior ? dona de mais duas lojas de luxo na vizinhança ?, encomendou uma pesquisa própria de mercado de luxo, feita por uma consultoria de São Paulo. Só então partiu para a seleção de equipe, treinamento ? que incluiu postura e comportamento dos funcionários ? e a contratação de um serviço de telemarketing. Hoje a loja tem um mailing de 3.200 clientes.

Condomínios. "Nos últimos anos, muitos condomínios de luxo foram lançados nas redondezas e atraíram um público mais exigente", diz Alexandra Lima, gerente de Marketing da loja. "Temos muitos clientes que moravam na capital e vieram para Ribeirão à procura de qualidade de vida." Mais de 200 condomínios foram inaugurados no interior nos últimos oito anos.

Araçatuba. O resultado é que até a cidade de Araçatuba já tem sua mini Oscar Freire. Fica na General Glicério e tem como um dos destaques a Mag Store, loja especializada em moda e em mimos. Uma das clientes, Suzana Vilela de Carvalho, encantou-se com uma saia que viu numa foto do desfile de Glória Coelho. "Pedi ao vendedor da loja, por telefone", conta, satisfeita. "Ele encomendou o modelo e entregou em casa." A loja tem ainda o chá da tarde. "Às vezes venho só para o chá, mas acabo ficando e comprando mais", diz a administradora de empresas Simone Ferracini, destacando uma outra grande vantagem da mini Oscar Freire de Araçatuba sobre a original. "Compro mesmo se não estiver com o dinheiro em mãos. Penduro a conta. Aqui todo mundo se conhece." / COLABORARAM CHICO SIQUEIRA, ESPECIAL PARA O ESTADO, e BRÁS HENRIQUE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.