Nilton Fukuda/Estadão<br>
Nilton Fukuda/Estadão

‘Estava dormindo. Nem lembro o que eu fiz ou como saí do ônibus’

Sobrevivente do acidente em Ibitinga fala sobre a colisão do ônibus escolar com um caminhão na Rodovia SP-304

Entrevista com

Vitória Sanches

Felipe Resk, Enviado especial de O Estado de S. Paulo

28 de outubro de 2014 | 21h55


BORBOREMA - A jovem Vitória Sanches, de 13 anos, foi uma das sobreviventes do acidente. Apesar de a excursão ter sido feita para alunos do 3.º ano do ensino médio, a estudante do 9.º ano foi autorizada a participar também, já que algumas vagas não haviam sido preenchidas.

O que aconteceu depois do acidente?

Eu não vi nada, estava dormindo. Nem lembro o que eu fiz ou como saí do ônibus. Só lembro que bem depois, quando o caminhão já estava pegando fogo, consegui falar com a minha família, com a polícia e com os bombeiros.

Você foi socorrida?

Como eu não tinha nada, na hora a gente saiu e minha família também foi ao local. Depois, fui para o hospital de Borborema, mas só tive um ferimento no olho e na boca.

Conhecia as pessoas que estavam no ônibus?

Conhecia todo mundo. Estava sentada no lado do motorista (esquerdo). As pessoas do outro lado (o direito, que foi praticamente arrancado pela careta) morreram.

Qual a cena que mais a marcou em toda essa situação?

Tudo. Sem explicação. Todo mundo se conhecia. Só lembro que a gente estava bem longe do ônibus, quando vi um monte de gente caída e passando mal. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.