Estalos foram confundidos com tiros

"Estão atirando!" Foi com essa frase que o pedreiro Raimundo Nonato, de 30 anos, acordou em um sobressalto pouco antes da 1h de ontem. Sua mulher, a diarista Terezinha Carvalho, de 30, havia confundido os estalos provocados pelo fogo com tiros de revólver. "Saímos correndo e viemos para o posto de gasolina (do outro lado da Avenida Almirante Delamare) e, mesmo aqui, o calor era muito forte, apesar de estar noite", disse Nonato. Ontem ele e algumas pessoas que moravam no mesmo barraco retiravam o que podiam do local, como louças e brinquedos. Agora, em vez do fogo, lutavam contra a água dos encanamentos estourados. "A TV e o DVD, novinhos, derreteram."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.