Evelson de Freitas/AE
Evelson de Freitas/AE

Estaiada da Tietê será inaugurada na quarta

Com dez meses de atraso na obra, nova ponte na Marginal custou R$ 85 milhões

Renato Machado, O Estado de S.Paulo

25 Julho 2011 | 00h00

Após quase dez meses de atraso, a ponte estaiada da Marginal do Tietê será inaugurada nesta quarta-feira. A obra custou R$ 85 milhões e é a última que faltava ser entregue para a conclusão do chamado complexo da "Nova Marginal". Ou seja, os paulistanos podem agora cobrar os 35% de redução no tempo gastos no percurso - prometidos no lançamento do projeto.

A nova ponte vai ligar a Avenida do Estado à pista central da Marginal do Tietê (no sentido para a Rodovia Castelo Branco), ao lado do Anhembi. A ponte é estaiada (com cabos, mesmo modelo usado na Marginal do Pinheiros) e tem 660 metros de extensão, por onde devem passar 20 mil veículos por dia.

Inicialmente, será inaugurada incompleta, sem uma ligação para o Bairro do Bom Retiro, na região central, que estava prevista no projeto executivo. Essa alça não tem data para sair do papel, pois ainda há desapropriações de imóveis para a obra, segundo a Desenvolvimento Rodoviário S.A (Dersa) - responsável pelo empreendimento.

Na quinta-feira, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) publicou no Diário Oficial do Estado um decreto no qual deu à ponte o nome de Governador Orestes Quércia - em homenagem ao político morto no ano passado. Quércia era adversário e desafeto do também ex-governador Mário Covas, padrinho político de Alckmin.

Atraso.A entrega da ponte encerra o pacote de obras do projeto da Nova Marginal. A gestão do então governador José Serra (PSDB) havia previsto a entrega das pistas para março de 2010 - o que efetivamente ocorreu. As pontes e viadutos, no entanto, seriam entregues em outubro daquele ano, mas os cronogramas foram sendo modificados na sequência. A estaiada foi adiada para dezembro, depois para março e a última vez para junho. Na ocasião, afirmou-se que os primeiros atrasos eram consequência da temporada de chuvas, que havia prejudicado as obras.

Como mostrou o Estado, a Nova Marginal custaria inicialmente R$ 1 bilhão, mas os sucessivos aditivos aumentaram em 75% o valor final. O projeto contemplou uma pista central, quatro novas pontes e três alças de acesso para pontes já existentes. "Gargalos como nos bairros de Tatuapé, Bom Retiro e Santana serão amenizados, graças à construção de novas pontes e viadutos", prometia o material de divulgação, em 2009.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.