Estados aguardam texto, mas dizem já investir na área

Nas últimas duas semanas, a reportagem entrou em contato com os dez Estados de maior população prisional para obter informações sobre a inteligência penitenciária de cada um. São Paulo, por exemplo, se recusou a prestar esclarecimentos, alegando "questões de segurança". Já o Rio informou que tem tomado iniciativas no sentido de "melhorar a inteligência penitenciária".

Rafael Moraes Moura / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

29 Abril 2013 | 02h03

Santa Catarina tem 50 agentes em atividade e espera o documento federal para "finalizar uma doutrina estadual". Na avaliação do Rio Grande do Sul, a doutrina possibilitará "padronização e orientação geral". Já Mato Grosso do Sul utiliza recursos da Estratégia Nacional de Segurança nas Fronteiras nessa área.

Ceará e Pernambuco informaram que têm investido na área de inteligência penitenciária. Minas Gerais, por sua vez, informou que só no segundo semestre deverão ser investidos R$ 4 milhões "na compra de equipamentos, softwares de última geração, veículos e capacitação".

O Paraná admitiu que "por ora só há previsão de aquisição de equipamentos". Na Bahia, o serviço de inteligência "ainda está em processo de instalação".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.