Estado reabre Casa da Aids em Pinheiros

Unidade será integrada com Rede Hebe Camargo e programa Recomeço; Alckmin anuncia PPP para três novos hospitais

Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

01 Julho 2014 | 15h16

SÃO PAULO - Dois anos após de ser fechada pelo governo do Estado de São Paulo, a Casa da Aids será reaberta nesta quarta-feira, 2, no Centro de Saúde Pinheiros, na zona oeste. Segundo o  secretário estadual de Saúde, David Uip, o serviço de referência terá  integração com outros equipamentos do Estado como a Rede Hebe Camargo e o programa Recomeço para dependentes químicos.

"Muitos pacientes com Aids e hepatites virais tem câncer. Outros, usuários de droga, tem comorbidade com a doença, hepatite e gravidez precoce", afirmou o secretário, na manhã desta terça-feira, 1º, durante a reabertura do Hospital Local de Sapopemba, o Sampopembinha, na zona leste. 

Após quase 18 anos de funcionamento, os cerca de 3.300 pacientes que faziam tratamento na Casa da Aids que ficava na Rua Frei Caneca, tiveram que continuar o tratamento no Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Na época do fechamento da unidade e transferência dos pacientes, o secretário estadual de saúde era Giovani Guido Cerri. Em 2012, David Uip era o diretor de infectologia do Instituto Emílio Ribas. 

Reabertura. Na manhã desta terça-feira, Uip esteve com o governador Geraldo Alckmin (PSDB) na reabertura do Hospital Local de Sapopemba. A previsão era a de que a unidade fechada no final de 2012 reabrisse no final do ano passado. "Atrasou mas ficou bom. Eu prefiro que tenha atrasado um pouco e ficado esta beleza do que se não ficasse assim. Valeu pena", disse o secretário. 

Como ainda há adequações no prédio, a área de internação com 40 leitos será liberada no próximo dia 15. Segundo a Secretaria de Estado da Saúde, o hospital terá 160 profissionais entre médicos, enfermeiros e funcionários do setor administrativo. A população da região terá à disposição cardiologistas,clínicos gerais e dermatologistas. Também há cirurgiões para pequenas cirurgias. 

Novos hospitais. Durante o evento, o governador e o secretário anunciaram a homologação da Parceria Público Privada (PPP) para a construção de três hospitais, sendo que dois no interior (Sorocaba e São José dos Campos) e um na capital. Ao todo o investimento será de R$ 772,2 milhões. Em São Paulo, será construído mo novo hospital Pérola Byinton. O novo prédio ficará na Cracolândia, na região central, no quadrilátero da Avenida Rio Branco com as alamedas Glete e Barão de Piracicaba. Serão 218 leitos (22 para UTI) e 10 salas cirúrgicas. "Vai ajudar a revitalizar a região da Nova Luz", disse Alckmin. Entre 30 e 40, de acordo com o Alckmin, o governo autoriza o início das obras. A previsão de conclusão é de 36 meses. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.