Estado irá recorrer de condenação por violência policial em SP em 2013

Decisão que proibia balas de borracha e gás lacrimogêneo também foi reinstaurada

Matheus Prado, Especial para o Estado

01 de novembro de 2016 | 16h56

SÃO PAULO - A Procuradoria-geral do Estado (PGE) irá recorrer da sentença que condenou o Estado de São Paulo a pagar R$ 8 milhões por danos morais e sociais em casos de violência policial durante os protestos de 2013. A condenação foi proferida, no último dia 19, pelo juiz Valentino Aparecido de Andrade, da 10ª Vara da Fazenda Pública da Capital e o valor deverá ir para o fundo de proteção aos direitos difusos. 

O magistrado também cassou uma tutela antecipada que permitia a utilização de balas de borracha, gás lacrimogêneo e armas de fogo pela polícia durante manifestações, reinstaurando proibição de 2014. A Procuradoria Geral do Estado, através de nota, explicitou sua decisão de recorrer às duas decisões. 

Em sua decisão, o juiz afirmou que a polícia não demonstrou capacidade para lidar com as manifestações populares em 2013. Por isso declarou a necessária a criação de um plano de atuação das forças de segurança durante situações do gênero. O não cumprimento das medidas em 30 dias, prevê multa diária de R$100 mil aos cofres públicos. 

A ação civil pública que gerou o processo, datada de abril de 2014 e ajuizada pelo Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos da Defensoria Pública, é assinada pelos Defensores Rafael Galati Sábio, Leandro de Castro Gomes, Carlos Weis e Daniela Skromov de Albuquerque. Participam também da ação na qualidade de amici curiae as associações Conectas Direitos Humanos e Artigo 19 Brasil.

As manifestações de 2013 começaram em São Paulo como uma resposta ao aumento de 20 centavos nas passagens de transporte público. Depois de seguidos atos em todo o Brasil, a adesão de protestantes foi aumentando e os conflitos com as forças de segurança também. Durante a Copa das Confederações, em julho do mesmo ano, vários confrontos foram registrados em todo território nacional. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.