Estado de corredor atingido por árvore na Avenida Brasil é grave

Esportista de 28 anos treinava para maratona com professor quando[br]árvore caiu. Ele sofreu traumatismo craniano

, O Estadao de S.Paulo

16 Março 2010 | 00h00

O corredor Ricardo Dutra Nicácio, de 28 anos, permanecia internado ontem em estado gravíssimo na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do Hospital das Clínicas. Na tarde de domingo, o atleta amador e seu professor corriam quando foram atingidos por uma árvore de grande porte na Avenida Brasil, zona sul de São Paulo. Nicácio sofreu uma hemorragia craniana e precisou passar por cirurgia.

O acidente aconteceu por volta de 14h20, quando estavam próximos do cruzamento com a Avenida Rebouças. Os dois se preparavam nos fins de semana para uma maratona que vão disputar no próximo mês. No início do temporal, correram em busca de abrigo, quando foram atingidos pela árvore, de cerca de 10 metros. O professor Jorge Arrueira Campos, de 53 anos, sofreu ferimentos leves.

Nicácio, no entanto, foi atingido na cabeça por parte do tronco da árvore, que partiu ao meio. O atleta amador - que também estuda e trabalha - ficou preso embaixo da árvore e foi retirado pelo Corpo de Bombeiros. Um helicóptero Águia, da Polícia Militar, chegou a pousar na Avenida Brasil, mas as equipes de resgate preferiram fazer a remoção em uma ambulância, por estarem perto do Hospital das Clínicas.

Rotina. Os parentes afirmam que o atleta amador costuma se exercitar todos os fins de semana e já disputou provas em São Paulo, Rio de Janeiro e em outras capitais do País.

"A gente mora no Jaguaré, então todos os fins de semana eles vão para a região da Avenida Faria Lima porque lá é mais plano. Eles param o carro por lá e começam a correr", disse o tio do rapaz, Sérgio Dutra Nicácio, que tem um filho de 27 anos que corria com Ricardo Nicácio, mas que há nove meses mudou para a Austrália.

Ontem, o quadro clínico do atleta amador permanecia gravíssimo, sem alterações ao longo do dia. Nicácio respirava com a ajuda de aparelhos. / R.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.