Estado alega que só 1% dos crimes tem a ver com detentos

A diretoria do Deinter-8, responsável pela Polícia Civil na região de Presidente Prudente, diz que o comparativo da reportagem foi realizado em um universo desfavorável aos dez municípios com penitenciárias, pois contam com maior número de habitantes. O órgão não explicou por que na comparação com o Estado, que tem 40 milhões de habitantes, o crescimento no número de furtos e roubos nos municípios abordados também foi maior.

Chico Siqueira e William Cardoso, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2011 | 00h00

A diretoria do órgão diz que Adamantina é sede de seccional, com sete unidades da Polícia Civil, e que isso justifica a queda na criminalidade. O órgão considera também que, nas cidades citadas, apenas 1,08% dos crimes teve relação com detentos. O CPI-8, responsável pela Polícia Militar, diz que o número de policiais é suficiente e cidades com presídio têm reforço para as escoltas. A Secretaria de Estado da Saúde diz que investe na região. Questionada, a Secretaria de Administração Penitenciária não se manifestou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.