Reprodução
Reprodução

Estádio do Nacional Atlético Clube foi inaugurado em 1938, na Barra Funda

Parte da história do futebol paulista pode desaparecer por causa da especulação imobiliária

O Estado de S. Paulo

09 Setembro 2015 | 21h55

É provável que os pontos mais conhecidos da Barra Funda, quando o tema é futebol, sejam o estádio do Palmeiras (Allianz Parque) e os CTs do alviverde e do rival São Paulo. Mas o bairro tem seu próprio time, cuja história está diretamente ligada ao desenvolvimento da região: o Nacional Atlético Clube. 

A equipe é uma das fundadoras da Federação Paulista de Futebol. Disputa a Copa Paulista e lidera o grupo 4 da competição. Longe das grandes arenas, continua fazendo sua história no Estádio Nicolau Alayon, que fica no número 348 da rua Comendador Souza. Inaugurado em 1938, o espaço é mais antigo do que o Pacaembu e o Morumbi. 

Nos trilhos. De certa forma, o primeiro jogo da equipe foi também a primeira partida oficial disputada no Brasil. Explica-se: quando Charles Miller, considerado o “pai” do esporte no país, desembarcou em São Paulo com seu livro de regras, a disputa inaugural promovida por ele na Várzea do Carmo foi realizada entre funcionários da Companhia de Gás e da São Paulo Railway. Isso foi em 1895.

Aproximadamente 15 anos depois, esses mesmos trabalhadores fundaram o São Paulo Railway Athletic Clube, que mudaria de nome para Nacional em 1947. No dia 23 de fevereiro daquele ano, o São Paulo Railway deixaria o gramado no final do primeiro tempo de um jogo contra o Flamengo. Na volta do vestiário, os uniformes dos jogadores já estampavam: Nacional Atlético Clube.

“Encerrada a fase, os jogadores e diversos diretores encaminharam-se para o gradil, diante do alto falante do estádio, onde em meio dos pavilhões de todos os clubes paulistas e ao lado da bandeira da FPF foi arriada a bandeira do São Paulo Railway”, escreveu, à época, o Estado de S. Paulo.

A mudança ocorreu por causa do fim da concessão da estrada de ferro. A São Paulo Railway deixou de comandar a ferrovia, em virtude da nacionalização da linha férrea. O clube, entretanto, manteve as cores azul, vermelho e branco, uma referência à bandeira do Reino Unido.

A equipe só disputaria o Campeonato Paulista em 1936, pela Liga Paulista de Futebol. Foi nesse período que conquistou sua maior glória no mais importante campeonato estadual do país: o quarto lugar em 1939. O primeiro título profissional viria só em 1989, quando o time conquistaria o Paulistão da Série A-3. Disputando divisões menores do futebol desde então, ainda atrai torcedores, em especial no clássico Juve-nal, contra o Juventus, da Mooca. 

Risco de sumir. Mesmo com uma história tão rica, o estádio Nicolau Alayon pode desaparecer. Como mostrou reportagem do Estadão de abril de 2015, a especulação imobiliária tem interesse na valorizada região e o processo de tombamento transcorre lentamente. “Nos últimos três anos, pelo interesse do mercado imobiliário na avenida Marquês de São Vicente, o processo de adensamento populacional ficou muito rápido. A especulação imobiliária está cercando aquela região e não existe a garantia de se preservar o estádio”, explica o sociólogo Edson Domingues, torcedor do Nacional e especializado em patrimônio cultural.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.