Estações vão ganhar lojas

Com fluxo de 500 mil usuários por dia, Linha 4 terá de cafés a cabeleireiros até o mês que vem

CAIO DO VALLE, O Estado de S.Paulo

21 Novembro 2011 | 03h03

Que tal recarregar o celular, fazer um lanche e tomar um cafezinho antes de embarcar no trem? Até o início de dezembro, passageiros da Linha 4-Amarela do Metrô terão acesso a essas e outras facilidades sem sair das estações. Os serviços serão oferecidos em lojas e quiosques nos mezaninos e em áreas depois das catracas. Ao todo, 3 mil m² das seis paradas serão voltados ao comércio - de lavanderias a cabeleireiros.

Por dia, o fluxo médio de passageiros da linha é de 500 mil usuários. "Vai servir a quem não tem acesso tão fácil a essas comodidades ao longo do trajeto", diz Donato Ponzio, gestor comercial da ViaQuatro, responsável pela Linha 4. A ideia, segundo ele, originou-se nos pisos dos shoppings, onde se pode pregar botão da camisa e engraxar sapatos.

As primeiras estações a ter lojinhas serão Butantã, Luz e Paulista. Dos 50 pontos comerciais disponíveis para locação, metade já foi alugada. O aluguel mensal por m² varia de R$ 330 a R$ 950.

O maior espaço, na Estação Faria Lima, vai abrigar um café, com 50 m². O funcionamento das lojas não deverá acompanhar o das estações, que operam das 4h40 à meia-noite. "Mas, entre 7h e 21h, a maioria estará funcionando", diz Ponzio.

"Acho bacana, desde que não atrapalhem o fluxo", diz o eletricista Ribamar Moreira, de 51 anos. Já a universitária Milena Queiroz, de 27, vai desviar menos do seu caminho. "Uma unidade dos Correios e uma lotérica facilitariam a vida."

No fim de dezembro, a linha vai ganhar ainda 60 máquinas de salgadinhos, refrigerantes e livros. / COLABOROU FABIANO NUNES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.