Estações Luz e República abrem das 4h40 à meia-noite

Horário integral nas estações da Linha 4 foi antecipado e começa hoje; elas continuam fechadas aos domingos

O Estado de S.Paulo

26 de setembro de 2011 | 03h03

As Estações Luz e República da Linha 4-Amarela do Metrô, ambas no centro de São Paulo, vão funcionar a partir de hoje em horário integral, das 4h40 à meia-noite. A exceção continua sendo os domingos, quando elas permanecem fechadas para que sejam feitos testes na linha.

A previsão era de que o horário normal entrasse em vigor no dia 30 deste mês, mas o governador do Estado, Geraldo Alckmin (PSDB), anunciou oficialmente a antecipação no sábado.

Luz e República são as últimas estações da primeira fase da Linha 4, que só estará totalmente finalizada em 2014. O primeiro trecho, entre as Estações Faria Lima e Avenida Paulista, foi inaugurado em maio de 2010, e operou em horário reduzido por um ano - de maio de 2010 até o dia 12 deste mês.

Hoje, a linha funciona de segunda a sábado, incluindo feriados, das 4h40 à meia-noite, entre as Estações Luz e Butantã - com paradas nas Estações República, Paulista, Faria Lima e Pinheiros. Após ficar pronta, a Linha 4-Amarela será administrada pelo período de 30 anos pela empresa ViaQuatro, do grupo CCR, que também gerencia as Rodovias Anhanguera, Bandeirantes Dutra e o Rodoanel. É a primeira linha do metrô de São Paulo a ser assumida pela iniciativa privada.

Lotação. A entrega das Estações Luz e República ocorrem no momento em que o metrô recebe o maior volume de passageiros desde a sua inauguração, em setembro de 1974. São cerca de 4 milhões de passageiros por dia, o equivalente à população de quatro cidades como Campinas somadas.

Cada vez mais cheio, o metrô agora deve ganhar um número ainda maior de usuários com a integração das novas estações República e Luz da Linha 4. Por essas estações é possível fazer a transferência entre a Linha 4-Amarela e a 1-Azul e 3-Vermelha, respectivamente.

Com as paradas em pleno funcionamento, a promessa do Metrô é de que o fluxo de pessoas seja redistribuído no sistema. Com isso, a média diária de movimento da superlotada Estação Sé vai diminuir em 160 mil passageiros; na Paraíso, a redução prevista pela companhia é de 59,6 mil pessoas.

Enquanto isso, a média diária de passageiros na Estação República vai subir 58,7%, de 63 mil para 100 mil usuários. Na Luz, o aumento previsto é de 4,7%, de 126 mil para 132 mil pessoas. A expectativa é de que 500 mil pessoas sejam transportadas em média pela linha, em dias úteis, até o fim do ano.

No ano que vem, esse número deve chegar a 700 mil por dia, segundo mostram projeções do governo do Estado.

Atraso. O governo do Estado também corre para tentar tirar do papel a Linha 17-Ouro, que ligará o Aeroporto de Congonhas com a Linha 1-Azul e a região do Estádio do Morumbi.

O polêmico monotrilho, extremamente criticado pelos moradores que temem pela paisagem do bairro, tem o início das obras prometido para dezembro (veja mais abaixo).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.