Estacionamento do HC tem poucas vagas para deficientes

Estacionamento do HC tem poucas vagas para deficientes

O Hospital das Clínicas não atende às necessidades de seus pacientes com mobilidade prejudicada, apesar de cumprir a legislação que prevê pelo menos 2% das vagas de estacionamento para deficientes físicos. São apenas 19 vagas para deficientes em todo o complexo, contra 838 vagas para funcionários.

, O Estadao de S.Paulo

30 Março 2010 | 00h00

Pacientes que precisam estacionar o carro para alguma consulta são obrigados a esperar mais de duas horas para conseguir uma vaga. Próximo à ala de ortopedia, destinada a pessoas de mobilidade reduzida, existem apenas duas vagas para deficientes, longe das portas. Médicos, enfermeiros e funcionários, entretanto, podem estacionar nas vagas na frente do prédio.

O fotógrafo Ângelo Maciel, de 47 anos, vai sozinho ao hospital para sessões de fisioterapia semanais. Sem o movimento na perna esquerda, ele precisa da ajuda de uma bengala para andar. "Os médicos, que podem andar, têm lugar para parar e deficientes, não", protesta.

O HC informou, em nota, que "os únicos pacientes com direito a estacionamento gratuito são os portadores de deficiência física, e as vagas disponíveis aos seus veículos obedecem ao porcentual previsto pela legislação em vigor, de 2% do total disponível". Para ter acesso às vagas, os pacientes têm de estar com os veículos cadastrados pelo Departamento de Operação do Sistema Viário, da Prefeitura. Segundo o HC, o complexo tem 838 vagas fixas destinadas a funcionários, 36 vagas operacionais para ambulâncias e veículos de carga e descarga e 19 vagas para deficientes. / L.A.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.