Bruno Ribeiro/AE
Bruno Ribeiro/AE

Estação Tamanduateí nem abriu totalmente e já precisa de reparo

Em todos os andares do terminal, que faz parte da Linha 2-Verde do Metrô, há goteiras e construtora responsável faz reforma

Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

04 Fevereiro 2011 | 00h00

Antes de começar a operar em horário comercial, a nova Estação Tamanduateí, da Linha 2-Verde do Metrô, coleciona goteiras e já passa por obras de reforma. Ontem pela manhã, eram pelo menos nove pontos onde havia pingos d"água - três deles na plataforma de embarque. A companhia diz que os reparos estão sendo feitos pela construtura responsável pela obra, sem gasto extra para o poder público.

A estação tem 14 mil m² e três níveis. Na superfície, ficam as plataformas da Linha 10-Turquesa da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). No mezanino, estão as bilheterias e os corredores usados pelos passageiros para baldeação. No terceiro piso, as plataformas do metrô. Em todos há goteiras.

"Eu já tinha notado as plaquinhas, mas achei que era por causa da chuva. Não é uma coisa que atrapalhe a viagem. Agora, sabendo que é uma falha estrutural, acho um absurdo uma obra desse tamanho estar com infiltrações. Tenho certeza que essa estação não saiu barato", afirma Danilo Borges, de 24 anos.

O diretor de Operações do Metrô, Mário Fioratti Filho, afirma que as goteiras foram causadas por dois problemas. "Um dos locais é na junta de dilatação da via permanente (onde ficam os trilhos). É a que dá acesso ao mezanino. Já acionamos a construtora e o reparo já foi feito quase na totalidade", diz.

O segundo local de origem das goteiras é a emenda da estrutura das passarelas de integração. "O fornecedor está refazendo a vedação", diz. O diretor não dá prazo para a conclusão dos trabalhos. / COLABOROU TIAGO DANTAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.