Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Estação Ciência vai ganhar anexo de vidro e reforma

Museu passará a ser uma 'vitrine da USP' para a sociedade, com espaço para cada unidade da universidade expor suas pesquisas

BÁRBARA FERREIRA , JULIANA DEODORO, O Estado de S.Paulo

25 Março 2013 | 02h06

Pela primeira vez desde que foi criada, há 25 anos, a Estação Ciência passa por uma grande reforma. O museu, que pertence à Universidade de São Paulo (USP), já está fechado para obras e deve reabrir daqui a dois anos.

A reforma vai transformar o espaço em uma "vitrine da USP" e aproximar a universidade da comunidade. A proposta é apresentar as tecnologias desenvolvidas pelos alunos e pesquisadores às mais de 300 mil pessoas que visitam o espaço a cada ano e oferecer espaço para que cada curso possa expor suas pesquisas científicas.

"O objetivo é a interação. Esse é um espaço da USP, mas está um pouco tímido ultimamente", afirma o diretor da Estação Ciência, José Antonio Visintin. "Meu sonho é que fique pronto em dois anos, mas a gente não pode prever a data exata."

Localizados na Rua Guaicurus, 1.394, na Lapa, zona oeste, os galpões da Estação Ciência vão receber um anexo de vidro, onde funcionará a entrada dos visitantes, além de dois elevadores em cada lateral do prédio. Como o edifício é tombado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico (Conpresp), as torres e o desenho arquitetônico não vão ser alterados. Serão trocados o telhado, o madeiramento e as redes elétrica e hidráulica.

Os trilhos da antiga Estação Ferroviária da Lapa (Fepasa), que desde o início do século 20 estão embaixo dos galpões, serão recuperados e darão espaço a uma exposição sobre a história da ferrovia. "Quero conversar com a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e colocar vagões de verdade lá, porque foi um local importante para a cidade", afirma Visintin.

O anfiteatro da Estação Ciência também será reformado e terá capacidade para 250 pessoas. Lá, serão exibidos eventos culturais gratuitos para a população. "A ideia é que tenha atividade todos os dias e as pessoas possam assistir a peças de teatro, por exemplo, no horário de almoço", explica o diretor.

Enquanto o museu estiver fechado, as exposições itinerantes serão exibidas em presídios do Estado de São Paulo. A primeira já aconteceu na Penitenciária de Parelheiros, no fim de 2012. Outras 26 devem receber as mostras nos próximos dois anos.

Desafios. Para o professor Leandro Tessler, especialista em qualidade de ensino e pesquisa, a principal dificuldade do projeto será adaptar a linguagem das produções científicas ao público infanto-juvenil. "Não é óbvio em nenhum lugar do mundo traduzir o que é feito na academia para a linguagem do público e que as crianças saiam com a sensação de que entenderam o experimento. Eu quero muito ver isso acontecer", afirma.

Tessler aponta a aproximação da USP com a sociedade como a mudança mais significativa na nova Estação Ciência. "As pessoas estão curiosas para saber o que acontece na universidade e ela está respondendo a isso."

Para Roberto Leal Lobo e Silva Filho, reitor da USP na época em que a Estação Ciência passou a pertencer à universidade (antes era do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), o museu merecia essa reforma há anos. "Era mesmo a hora de mudar e de avançar."

Mais conteúdo sobre:
Estação Ciência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.