''Esse processo não acaba em 50 anos'', afirma jurista

RIO

Alessandra Saraiva e Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

06 de junho de 2011 | 00h00

Advogados ouvidos pelo Estado consideram improvável a condenação dos 439 bombeiros presos, caso venham a ser processados por terem ocupado e danificado veículos e instalações do quartel central da corporação.Lembram que, como eles integravam um grupo grande, será quase impossível atribuir responsabilidades individuais.

A Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil do Rio acompanha o caso. O presidente da OAB-RJ, Wadih Damous, criticou "as dificuldades impostas pelo governador Sérgio Cabral para que advogados dos grevistas presos tenham contato com eles" e também o fato de não haver mais negociação entre as partes.

O advogado criminalista Arthur Lavigne levantou dúvidas quanto à acusação de motim. "O que vimos ali foi um protesto em busca de melhores condições de trabalho que extrapolou."

Para o advogado José Carlos Tórtima, que também classifica como justo o pleito, um possível processo levaria muitos anos a ser concluído. "Imagine ouvir 439 pessoas e as cinco testemunhas arroladas por cada um. Seriam mais de 2.000 pessoas. Esse processo não acabaria nem em 50 anos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.