''Esse consumidor sonha com o que vê na novela da Globo''

"Mais do que uma casa bonita, o consumidor de classe C sonha com a decoração que aparece na novela da Globo", diz o arquiteto Guto Requena, ex-pesquisador do Núcleo de Estudos de Habitares Interativos da Universidade de São Paulo (USP). "E essa geralmente não é a proposta que um arquiteto ou design de interiores vai apresentar."

Valéria França, O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2011 | 00h00

Como as referências são diferentes, cliente e decorador passam por alguns percalços. "Depois de alguns anos passei num conjunto habitacional que planejamos no interior de São Paulo e a fachada havia sido totalmente mudada." Requena conta que surgiram colunas gregas e bay windows, entre outras referências neoclássicas. O arquiteto comanda o programa Nos Trinques, do GNT, que discute o design na cidade. "É o acessível, útil, que tenha a ver de fato com a vida das pessoas."

Em muitos casos, trata-se do design possível. "A minha primeira experiência com uma família de classe C foi muito tumultuada", conta Saulo Szabó. "O casal não aceitava nada do que eu oferecia. Os dois idealizavam a casa da novela, que além de tudo não cabia no orçamento. Foi muito difícil acabar a decoração e ninguém, nem o escritório nem o cliente, saiu satisfeito." Hoje, Szabó deixa claro na primeira conversa a sua linha.

Ainda é a minoria que procura um decorador. "A maioria não quer pagar pelo projeto, porque sabe que compraria algo de valioso para casa com esse dinheiro", pondera Requena. É um público que procura ser autodidata e pesquisa guias. "A faxineira do escritório, por exemplo, coleciona revistas de decoração."

DICAS DO DECORADOR FÁBIO GALEAZZO

Retorno às origens

Resgate o que lembra a infância - cadeiras da mãe, máquina de escrever, louças velhas e até ferramentas.

Customização

Banquinhos viram mesas. Bordados servem para fazer interferências em cadeiras e um soquete de lâmpada no bico de um regador vira um abajur.

Artesanato

Crochê, tricô e almofadas em vários tons estão na moda.

Pintura

Definitivamente não existe mais uma única cor no ambiente.

Equilíbrio

Cuidado com o exagero. Mesinhas congestionadas enfeiam o visual e dificultam a limpeza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.