'Essa é pra você, José Sarney'

Os veteranos do Capital Inicial pareciam crianças no Palco Mundo do Rock in Rio, na apresentação da noite de ontem. Empolgado, o vocalista Dinho Ouro Preto parecia não acreditar na multidão que pulava à sua frente: "Quanta gente! Não dá pra se acostumar com isso, cara", gritou ele ao microfone. Seu protesto maior, no entanto, veio antes da música de Renato Russo, Que País É Esse?, quando citou a censura ao jornal O Estado de S.Paulo que, há mais de dois anos, está proibido de publicar uma reportagem sobre a família Sarney. "Essa aqui é para as grandes oligarquias, que conseguem manter os jornais censurados, como o Estadão. Essa aqui é para o José Sarney", disse ele.

PEDRO ANTUNES , FELIPE BRANCO CRUZ , ENVIADOS ESPECIAIS / RIO, O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2011 | 03h00

Alta voltagem. A banda de Brasília sabe fazer um rock de arena, com hits dos anos 80 e 90, ressuscitados no disco Acústico MTV lançado pelo grupo em 2000. Canções como Independência, Natasha, Como Devia Estar e Primeiros Erros, que estava entre as mais pedidas no Twitter desde o começo da tarde, com uma pegada mais roqueira, foram exaustivamente cantadas pelo público e se tornaram os grandes momentos da noite. Um ar retrô que combina com um Rock in Rio que busca reencontrar o prestígio das edições passadas.

A banda começou o show às 22h07 com a morna Como se Sente, do último disco do grupo, Das Kapital. Com uma letra que mostra um homem de meia-idade, buscando a reflexão, Dinho chamou o público sentado para dançar e cantar. A garoa caiu mais uma vez - pancadas caíram desde as 18 horas, após o show de Tulipa Ruiz e Nação Zumbi, no Palco Sunset.

Em Quatro Vezes Você, pela primeira vez nesta edição do Rock in Rio, fogos foram disparados em vários pontos do palco. Depois de uma emocionante versão de Natasha, cantada basicamente pelas meninas da plateia, e da energizante Como Devia Estar, o momento mais tocante da noite: Dinho dedicou a canção para Rafael Mascarenhas, filho da apresentadora e atriz Cissa Guimarães. Ele disse que ofereceu camisetas em homenagem ao jovem, morto em atropelamento no Rio enquanto andava de skate, em julho de 2010, para os integrantes do Red Hot Chili Peppers. Ontem, seria o aniversário de Rafael, que completaria 20 anos.

"Como eu não sei se eles vão usar as camisetas ou não, essa é em homenagem ao Rafael. Skate e Red Hot têm tudo a ver", disse, lembrando que a banda californiana fechou a noite de ontem do festival.

Para completar o clima retrô da apresentação, Dinho e companhia executaram Should I Stay, Should I Go, dos britânicos do The Clash, e Mulher de Fases, dos Raimundos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.