Ayrton Vignola/AE
Ayrton Vignola/AE

Espetáculo dos ipês floridos está terminando

São os últimos dias da temporada para contemplar as árvores que dão colorido especial à paisagem paulistana

Paulo Saldaña, O Estado de S.Paulo

03 de novembro de 2010 | 00h00

As folhas verdes começam a cair e a copa se faz toda colorida, como um grande buquê. O encanto que os ipês exercem vem da exuberância dessa floração integral, que proporciona um belo visual à cena paulistana.

São originárias de El Salvador, na América Central, as árvores de flores cor-de-rosa que colorem São Paulo. E são os últimos dias do ano para contemplar um ipê florido.

Do gênero Bignoniaceae, o ipê tem mais de uma centena de variações nativas. Os que atualmente estão vistosos pela cidade, chamados ipês-de-el-salvador (Tabebuia pentaphylla), têm praticamente as mesmas características que os amarelos, brancos e roxos: as típicas flores em forma de trombeta. "O ipê-de-el-salvador costuma florescer com as folhas nas árvores, mas neste ano a floração foi mais forte", diz a bióloga Lucia Rossi, do Instituto de Botânica da Secretaria de Estado do Meio Ambiente.

O inverno seco e quente deste ano favoreceu o espetáculo, explica Juliana Gatti Pereira, da Árvores Vivas, empresa que, entre outras atividades, promove o Passeio Verde, para conhecer árvores. Designer por formação, ela se apaixonou pelo assunto há quatro anos. Foi estudar Botânica na USP, fez curso de paisagismo e jardinagem. "Só percebemos as árvores quando estão no momento de floração. Precisamos despertar o olhar para nossa natureza."

 

 

Beleza natural. O inverno seco e quente deste ano favoreceu o espetáculo dos ipês na cidade

Para os paulistanos, os ipês são um presente contra o cinza. "Vejo muito no interior, mas em São Paulo parece mais bonito porque se destaca do resto", diz a atendente Adeide Rosa, de 32 anos, que trabalha na frente da Praça Luiz Carlos Mesquita, na zona oeste, onde dez ipês pintam de rosa o ambiente.

No primeiro semestre, a região da Sé recebeu 400 ipês. O plantio é parte da compensação ambiental da Marginal do Tietê. Para contemplar os ipês floridos, Juliana dá a dica. "Na cidade, os cemitérios são os locais mais interessantes porque são abertos e também tranquilos." 

   

DE FLOR EM FLOR

Ipê-roxo-de-bola (Handroantus impetiginosus) - Floração em meados de junho e começo de julho.

Ipê-amarelo-cascudo (Handroantus chrysotrichus) - Entre agosto e setembro, comum na arborização de calçadas na cidade.

Ipê-branco (Tabebuia roseoalba) - Floresce em setembro e é o que mais se beneficia do tempo quente.

Ipê-de-el-salvador (Tabebuia pentaphylla ) - Tem o auge da floração em outubro. Não costuma perder todas as suas folhas nesse período.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.