Especialistas veem falta de manutenção na rede de água

Especialistas em gerenciamento de risco acreditam que a falta de manutenção deve estar entre as causas do acidente em Campo Grande, no Rio.

Roberta Pennafort, Clarissa Thomé, O Estado de S.Paulo

31 Julho 2013 | 02h05

Gustavo Cunha Mello, da consultora Correcta, lembra que o Brasil exporta tecnologia de monitoramento de dutos e que é possível fazer ressonância magnética em tubulações, com uso de robôs. "É preciso que se avalie a pressão nos dutos e se há fadiga de material. A falta de equilíbrio nos investimentos afeta a manutenção. A Cedae tem seis ou sete adutoras, não são tantas que dê para dizer que é difícil monitorá-las", disse Cunha.

O especialista Carlos Camargo criticou o fato de haver casas perto da adutora. "Quando há um processo de licenciamento para uma atividade, o órgão de ambiente avalia impactos e impõe condicionantes. Isso inclui área de exclusão", disse. Ele ressalta que a prefeitura permitiu a construção das casas na área. "Não existe fatalidade. Era um risco que foi negligenciado."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.