Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Especialista vê migração de carro e metrô para bicicleta elétrica

Usuários em geral são ciclistas iniciantes, que pedalavam pouco ou quase nada, e veem na e-bike uma alternativa para fugir do trânsito e economizar

Juliana Diógenes e Giovana Girardi, O Estado de S.Paulo

01 Outubro 2018 | 08h48

As bicicletas elétricas, que têm sido cada vez mais vistas nas ruas de São Paulo, são consideradas por especialistas  em mobilidade urbana como o modal com mais capacidade de atrair o usuário do carro.

"Tem mais atratividade que o metrô, o transporte público por excelência, pois proporciona uma comodidade semelhante ao do automóvel particular. Essa migração traz um fato que começa a despertar atenção. São ciclistas iniciantes, que pedalavam pouco ou quase nada, se movimentavam com o carro. Essa é a maioria dos usuários de bike elétrica", comenta o cicloativista e blogueiro do Estadão Alex Gomes.

Segundo ele e os lojistas ouvidos pelo Estado, em geral a elétrica não vai atrair o ciclista cotidiano. "Seja por preconceito ou porque não veem necessidade, eles dificilmente fazem essa migração. Mas acho que a ideia de que é bike de preguiçoso bobagem. Elas proporcionam uma acessibilidade completa. Praticamente qualquer pessoa pode usar", afirma Gomes.

Fabricantes e revendedores registram um aumento da procura. A Vela, por exemplo, de projeto e fabricação nacionais, começou a comercializar em 2015 inicialmente para um grupo de 80 pessoas que haviam pré-demonstrado interesse em um financiamento coletivo no ano anterior. Em junho deste ano, já estava entregando 50 por mês e deve chegar ao final do ano entregando 120 por mês.

O engenheiro mecânico Victor Hugo Cruz, de 29 anos, fundador da start-up, conta que ele está sempre aquém da demanda. Diante da alta procura, conseguiu um novo financiamento para ampliar a produção. Vai mudar a fábrica para um galpão cinco vezes maior e espera estar entregando 300 bicicletas por mês até o final de 2019. Além da fábrica, tem uma loja em São Paulo e abriu mais duas neste ano, no Rio e em Brasília. Até o ano que vem estão previstas inaugurações em Curitiba e Belo Horizonte.

Ele afirma que tem dois grupos predominantes entre os interessados: quem usa carro e quem depende de muitos modais no transporte coletivo: sai a pé de casa até a estação de metrô, por exemplo, depois ainda pega um ônibus e tem de caminhar mais um pouco até o trabalho.

"Quem vem do carro normalmente está em busca de mais qualidade de vida, quer estar mais ao ar livre, conectado com a cidade. Quer ter mais liberdade e facilidade de parar no meio do trajeto para entrar numa padaria, por exemplo. E, acima de tudo, quer sair do trânsito. E diminuir seus custos", explica.

"Quem vem do transporte público também procura mais independência na sua locomoção. E quase todo mundo ganha tempo no fim do dia." Para ele, a elétrica é mais do que lazer ou esporte, mas um instrumento que pode ajudar a resolver o problema da mobilidade urbana.

Ele exemplifica com o que o motivou a dar o nome para sua empresa. "Com o surgimento das velas, os barcos não precisavam mais ser remados, começaram a se deslocar com mais facilidade. Foi possível fazer trajetos mais longos, chegar aonde não se chegava antes. A bike elétrica faz isso, aumenta a capacidade de transporte."

Segundo Henrique Ribeiro, CEO da Sense Bike, o perfil do consumidor da bicicleta elétrica tem acima de 30 anos e está em getal alinhado ao compromisso com a mobilidade urbana. Hoje este tipo de transporte começa agora a atrair a geração nascida pós-anos 90.

De 2012 até hoje, a Sense vendeu 20 mil bicicletas em todo o Brasil. Mas foi um episódio deste ano que a empresa: a falta de gasolina nos postos de combustível. "Nossas vendas tiveram muito impulso na greve dos caminhoneiros. Pela primeira vez, ficamos sem estoque. Foi uma surpresa boa", conta Ribeiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.