Especialista tira dúvidas sobre charutos cubanos

Equipamentos como abridor, tampa e termômetro influenciam na conservação e até realçam o sabor do vinho

Valéria França, O Estado de S.Paulo

23 de outubro de 2010 | 00h00

Com 30 anos de experiência em torcer charutos, o cubano José Luiz Migollo está no Brasil para dar uma série de palestras aos consumidores. Ele trabalha há 20 anos na fábrica da Cohiba e receberá o público nas Casas Del Habano de São Paulo, do Rio, Porto Alegre e Brasília. Abaixo, ele adianta algumas dicas importantes.

Como distinguir um autêntico cubano?

O que diferencia o falso do verdadeiro é a qualidade e a quantidade de material usado. O falso fica "frouxo". É importante sempre buscar os selos oficiais da Emporium, não acreditar em preços milagrosos.

Qual é o melhor charuto para quem está começando?

Um charuto leve como a linha Montecristo, e com uma vitola (formato) pequena, como um Monte 4 ou Monte 5

O que é um charuto premium?

Ele é feito à mão com folhas de tabaco inteiras, não picadas, e produzido nas melhores fábricas de Cuba, como Partagas, H. Upmann e El Laguito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.