Especialista diz que projeto paulista não é melhor alternativa

Proposta de transposição gerou uma disputa por água com o Rio de Janeiro, que é abastecido pelas águas do Paraíba do Sul

Mônica Reolom, O Estado de S.Paulo

09 Abril 2014 | 02h07

Primeiro presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), o engenheiro e professor de recursos hídricos da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Jerson Kelman disse nesta terça-feira, 8, que o projeto do governo paulista para transpor água da Bacia do Rio Paraíba do Sul para o Sistema Cantareira não era a melhor alternativa para resolver a crise de São Paulo, segundo plano feito pelo próprio governo.

"No Plano Diretor de Recursos Hídricos para a Macrometrópole Paulista, de 2013, foram examinadas dez possibilidades para buscar água. O arranjo que teve a melhor avaliação é o que tira água do Alto Juquiá e de outros lugares. O carioca então se pergunta: por que o que está sendo discutido não é nenhum dos arranjos estudados no plano e por que não é o arranjo que foi melhor avaliado?", questionou Kelman, durante debate sobre gestão da água na Fundação iFHC.

O projeto gerou uma disputa por água com o Rio de Janeiro, que é abastecido pelas águas do Paraíba do Sul. Segundo o governo paulista, o plano foi concluído antes da seca no Cantareira, o que alterou as prioridades hídricas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.