Especialista alerta para qualidade de fontes alternativas

Bicas, poços e nascentes podem servir como fontes alternativas de água em um cenário no qual a população tenha de buscar a independência hídrica por causa do agravamento de uma crise. Mas, de acordo com a presidente do Instituto Socioambiental, Marussia Whately, é importante que exista um controle de qualidade da água em cada uma dessas opções, para que a destinação seja correta.

O Estado de S.Paulo

22 Março 2015 | 02h03

"Há centenas de nascentes em outras situações (de qualidade) que não a potabilidade. Elas podem ter um uso complementar para abastecimento. Porém, as questões de qualidade têm de ser consideradas com rigor", afirma Marussia.

De acordo com ela, o poder público deve informar a população sobre as fontes alternativas de água, desde que explique em quais situações a água pode ser usada. Alguns locais, por exemplo, podem fornecer água potável, enquanto outros, por causa de poluentes e outras substâncias que causam doenças, devem ter o recurso usado na limpeza da casa e nas descargas.

"O futuro imediato para São Paulo é uma nova cultura, que contempla cuidar das fontes de água, despoluir e utilizar da melhor forma possível aquela que pode ser reutilizada, de forma a garantir o direito humano à água", explica. / F.L. e R.I.

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.